[Resenha] As Sete Irmãs — Lucinda Riley | Minha Vida Literária
19

mar
2019

[Resenha] As Sete Irmãs — Lucinda Riley

Título: As Sete Irmãs
Título original: The Seven Sisters
Autor: Lucinda Riley
Tradutor: Viviane Diniz
Editora: Arqueiro
Número de Páginas: 480
Ano de Publicação: 2016
Skoob: Adicione
Compare e compre: AmazonAmericanasSubmarino

Filha mais velha do enigmático Pa Salt, Maia D’Aplièse sempre levou uma vida calma e confortável na isolada casa da família às margens do lago Léman, na Suíça. Ao receber a notícia de que seu pai – que adotou Maia e suas cinco irmãs em recantos distantes do mundo – morreu, ela vê seu universo de segurança desaparecer.

Antes de partir, no entanto, Pa Salt deixou para as seis filhas dicas sobre o passado de cada uma. Abalada pela morte do pai e pelo reaparecimento súbito de um antigo namorado, Maia decide seguir as pistas de sua verdadeira origem – uma carta, coordenadas geográficas e um ladrilho de pedra-sabão –, que a fazem viajar para o Rio de Janeiro.

Lá ela se envolve com a atmosfera sensual da cidade e descobre que sua vida está ligada a uma comovente e trágica história de amor que teve como cenário a Paris da belle époque e a construção do Cristo Redentor.

As Sete Irmãs é o primeiro livro da série homônima de Lucinda Riley, na qual a autora faz uma releitura da mitologia das Sete Irmãs das Plêiades. Em cada livro, será narrada a história de uma das diferentes irmãs, todas adotadas por Pa Salt, em busca de suas verdadeiras origens.

No primeiro livro, é contada a trajetória de Maia, irmã mais velha e a mais ligada ao pai. Após a morte de Pa Salt, cada filha recebe uma carta e pistas sobre o próprio passado, para o caso de quererem descobrir mais sobre suas famílias biológicas. É quando Maia se vê pela primeira vez querendo deixar a vida que conhece e partindo para o Rio de Janeiro em uma aventura que a levará para a história de seus ancestrais e também para a história de construção do Cristo Redentor.

O que mais chama a atenção nos livros de Lucinda Riley é o primor com que ela desenvolve as tramas no passado e no presente, tanto em relação à forma de interligá-las quanto — e principalmente — em relação ao detalhamento histórico que ela insere na narrativa. Em As Sete Irmãs, isso aparece de forma ainda mais significativa para nós, brasileiros, considerando-se que a cidade maravilhosa contextualiza a leitura. Talvez seja vergonhoso pensar que fui conhecer mais detalhes a respeito da história do Cristo Redentor em uma obra estrangeira, mas foi o que ocorreu aqui, sendo um dos pontos altos da leitura para mim. Também, fiquei sensibilizada pelo respeito e carinho com que Lucinda Riley retratou o Rio e os brasileiros, especialmente por não ter encoberto o fato de sermos um país tão socialmente desigual.

Apesar de eu ter adorado o plot em si e de ter me envolvido com a leitura por conta de todo detalhamento proporcionado pela autora, As Sete Irmãs confirmou a impressão que eu já havia tido em A Casa das Orquídeas: tenho um problema com a narrativa de Lucinda Riley, sobretudo no que se refere à construção dos diálogos. Minha sensação com a leitura é que, nesses momentos, ela acaba soando por vezes artificial, talvez até mesmo por um floreamento excessivo de algumas passagens. Também, muito das personagens é apresentado ao leitor por meio de declarações nos diálogos que afirmam suas qualidades, o que torna meu envolvimento com elas menor do que se eu entendesse quem elas são através de passagens que demonstrassem suas qualidades.

Por conta disso, ainda que eu estivesse encantada pela história em si e por suas referências, não consegui me afastar da sensação de ter um livro em mãos enquanto eu fazia a leitura. Com isso, quero dizer que tive dificuldade em de fato adentrar na história e sentir como se ela e as personagens fossem reais, como se eu vivesse os acontecimentos com elas. O tempo todo eu me sentia experimentando algo arquitetado e planejado que, embora seja algo próprio da construção de qualquer obra, é uma sensação que não pode ocorrer na leitura para termos a experiência de completa imersão.

No resumo, gostei de As Sete Irmãs por sua construção geral, mas com ressalvas em relação à experiência de leitura — o que certamente varia de leitor para leitor e, dada a enxurrada de comentários positivos sobre a obra, a minha certamente contraria a geral. Como Lucinda Riley mantém de propósito abertura em diversos pontos para os livros seguintes, é claro que me senti instigada a prosseguir para sanar muitas das curiosidades deixadas. Contudo, ainda estou avaliando se darei continuidade ou não à série; considerando-se que os livros são volumosos e numerosos, talvez seja um investimento grande de tempo em algo que não me foi tão prazeroso em comparação a tantas outras leituras que ainda desejo fazer. Vale lembrar que minha experiência com O Segredo de Helena, outro título da autora, foi bem diferente em termos de narrativa, tendo sido uma das leituras que mais gostei de fazer no ano passado.





Deixe o seu comentário

6 Respostas para "[Resenha] As Sete Irmãs — Lucinda Riley"

Angela Cunha - 20, março 2019 às (07:50)

Sou apaixonada pelas letras da Lucinda e sempre procuro intercalar minhas leituras com algum livro dela. Esse floreamento dela é uma marca mesmo.rs e por vezes, até irritante de se ler. Mas…sei lá, eu até que gosto!
Acabei lendo este livro emprestado de um amiga tem um bom tempo e não vejo a hora de conferir a vida das demais irmãs!
Pah é fantástico e conseguiu deixar um legado bem interessante!
Leitura super recomendada.
Beijo

Scheila - 20, março 2019 às (08:03)

Aione,

De começo me identifiquei com o livro e fiquei curiosa para conhecer a história das sete irmãs.. Mas lendo sua resenha, gostei que você colocou que em momentos de construção do diálogo a autora soo por vezes artificial.. É bom ter essa visão antes de começar a ler.

Mas vou apostar nessa leitura para ver qual minha sensação, e se gostar, irei dar continuidade na série.

Mas como você mencionou, vou ver se vale a pena a leitura, pois são numerosos livros e a quantidade de páginas também, e as vezes podemos ler outros mais interessantes hehe.

Obrigada pelas dicas, beijos.

Anna Mendes - 23, março 2019 às (14:36)

Oi Aione!
Amei a sua resenha!! <3
Que bonita a capa desse livro! Eu nunca li nada da autora. Eu já tinha ficado curiosa para ler os outros livros dela que você já fez resenha por aqui, mas eu ainda não conhecia essa série.
Achei a premissa bem interessante e diferente, e também achei legal a autora ter explorado a cidade do Rio de Janeiro como cenário para o primeiro volume dessa série.
Não sei se começarei a ler os livros dessa autora por essa série, mas ainda quero conhecer as obras dela! 🙂
Bjos!

RUDYNALVA - 23, março 2019 às (23:57)

Bem Aione!
Estou no hall daquelas leitoras que aamam demais a escrita da Lucinda, não apenas por poder apreciar duas histórias dentro de um mesmo livro que culminam num encontro final, como pela pesquisa que ela deve realizar para escrever seus livros, afinal, tudo é tão detalhado, explicado que parece aé real, principalmente esse que se passa no BRasil.
Amei!
Acabei de ler o livro 4 e igualmente fiquei encantada.
Espero que possa prosseguir com a leitura da série.
cheirinhos
Rudy

Larissa - 30, março 2019 às (11:58)

Aii eu tenho namorado essa série há um tempo. Sempre vejo pessoas indicando e recebo email das livrarias me instigando a cair em tentação rs. Lucinda é ótima, o estilo de escrita dela é único e realmente viciante. Acho incrível como ela consegue brincar com relacionamentos, histórias de famílias, passados e destinos, e os plots então… fico louca e suspirando. Mas tenho que concordar com você quanto aos diálogos, tive a mesma impressão com Casa das Orquídeas e A Garota do Penhasco, não sei qual a intenção dela, se é tentar deixar a conversa bonita e floreada, ou se é enrolar tanto nossa cabeça com palavreado difícil pra que a gente fique meio confuso mesmo rs. Mas costuma ser uma leitura agradável, darei uma chance a essa série.

Ana I. J. Mercury - 31, março 2019 às (23:54)

Eu gosto muito dessa sério, porém, também acho que alguns diálogos são bem superficiais, estranhos mesmo.
Acho que faltou mais emoção na história da Maia, apesar de que o final foi bom.
Sobre a Bel , sofri com ela, mas achei errado o que ela fez, apesar de que ela não escolheu se casar e tudo mais.
Acho que você vai gostar mais dos segundo e terceiro livro da série, são beeeem melhores e mais emocionantes.
bjs

Últimas Resenhas

Calendário de posts

março 2019
S T Q Q S S D
« fev   abr »
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031

Desafio Fuxicando Sobre Chick-Lits 2019

<div class="titulo desafio-fuxicando-sobre-chick-lits-2019"><h6>Desafio Fuxicando Sobre Chick-Lits 2019</h6></div>

Minha Vida Literária • todos os direitos reservados © 2019 • powered by WordPress • Desenvolvido por Responsivo por