[Resenha] Entre a Cruz e a Espada - Igraínne Marques | Minha Vida Literária
Minha Vida Literária
30

jun
2020

[Resenha] Entre a Cruz e a Espada – Igraínne Marques

A bailarina Esmeralda Araújo está muito animada. Depois de anos tentando, finalmente conseguiu ser selecionada para a turnê de Lago dos Cisnes, que vai acontecer, dessa vez, na Europa. Nascida no Vidigal, uma comunidade do Rio de Janeiro, ela sempre enxergou a dança como uma forma de se libertar das amarras sociais, de modo que conseguir o reconhecimento de uma apresentação dessas é seu maior sonho. O que ela sequer desconfia é que a turnê é patrocinada pelo Vaticano, o que quer dizer que a companhia precisa dançar para um grupo de religiosos antes de ganhar o mundo. Isso não seria um problema se, junto do melhor amigo Léo, diretor artístico da companhia, e de um europeuzinho muito suspeito, ela não tivesse presenciado uma cena terrível dentro do menor país do mundo. Em meio ao grande escândalo, poderia o sonho de Esmeralda estar se tornando um pesadelo? Entre chantagem e palco, dança do ventre e balé, será que ela conseguirá brilhar?

 

Ficha Técnica

Título: Entre a Cruz e a Espada
Autor: Igraínne Marques
Editora: Autopublicação
Número de Páginas: 120
Ano de Publicação: 2020
Skoob: Adicione
Compre: Amazon

 

Resenha: Entre a Cruz e a Espada

Entre a Cruz e a Espada é a segunda novela da coleção Femme Fatale, que reúne um grupo de doze escritores que lançarão releituras de grandes heroínas da literatura em uma outra perspectiva dessas personagens. Eu já fiz resenha de Princesa da Magia da Clara Alves (Mégara, esposa de Hércules) aqui no blog e, como prometido, estou seguindo a sequência de publicações.

Esmeralda Araújo finalmente foi selecionada para a turnê de Lago dos Cisnes na Europa. Nascida no Vidigal, uma comunidade do Rio de Janeiro, ela enxergou na dança uma forma de se libertar das amarras sociais. Ser reconhecida na apresentação dos seus sonhos é algo que ela mais deseja. Contudo, para ganhar o mundo, será necessário superar um obstáculo que ela nem havia imaginado. Patrocinados pelo Vaticano, a companhia de dança precisa se apresentar para um grupo de religiosos e, apesar de isso não ser um problema no início, presenciar uma cena terrível coloca o horror dentro do menor país do mundo. Entre chantagem e palco, dança do ventre e balé, Esmeralda conseguirá alcançar seu sonho em uma nuvem de pesadelos?

Uma das coisas que mais gosto na Esmeralda da animação de O Corcunda de Notre Dame é a forma corajosa e sagaz que ela lida com situações a sua volta, e isso me chamou bastante a atenção em Entre a Cruz e a Espada, pois a autora manipulou muito bem essas características. Igraínne trouxe uma Esmeralda com os mesmos princípios, pensamentos, atitudes que a do desenho. Isso é incrível! Eu senti uma identificação e nostalgia gigantesca conforme lia o enredo. Ambas possuem as vidas marcadas por essa resistência na sociedade. Acredito que quem é fã dos filmes da Disney e ama a Esmeralda como eu com toda a certeza vai gostar dessa personagem decidida e que sabe lutar pelo que quer.

O mais engraçado é que, em muitas conversas com a autora, ela me disse que não escreve suspense, mas acredito que essa novela é um bom começo para o gênero. Apesar de ser óbvio quem é o vilão, dá para sentir o desenvolvimento policial na trama, em como a Igraínne trabalhou o escândalo. A narrativa é bem planejada e intrigante. Tenho certeza de que, se ela decidir um dia estudar mais sobre e se aperfeiçoar, vai trazer muita coisa bacana.

Para finalizar, a novela trabalha muitas questões de racismo, pedofilia, temas pesados e gatilhos, mas grande parte do texto, narrado através do pensamento da Esmeralda, constrói momentos de reflexão e que atuam bem na construção empática do leitor. Um enredo alucinante. Uma crítica à igreja católica. Uma nova, mas a mesma fantástica Esmeralda.

Como também parte do projeto Femme Fatale, em maio, a Aione Simões aqui do Minha Vida Literária lançou a novela dela: A Filha Ideal reconta a história da Jasmine, de Aladdin. Ainda, tivemos o lançamento de março, Palácio de Areia, da Raffa Fustagno, uma releitura das irmãs Elza e Ana de Frozen. Prometo trazer a resenha de ambos em breve.





Deixe o seu comentário

Uma resposta para "[Resenha] Entre a Cruz e a Espada – Igraínne Marques"

Angela Cunha - 03, julho 2020 às (07:33)

Venho acompanhando esse projeto lindo desde o começo e que alegria ter mais essa surpresa linda e oh, Esmeralda!!!!
Vocês arrasaram e a Raffa ontem colocou a promoção no kindle. Mesmo não lendo digital ainda, claro que vou lá namorar!!!rs
Beijo e mais sucesso nessa maratona de alegrias!!!

Minha Vida Literária

Caixa Postal 452

Mogi das Cruzes/SP

CEP: 08710-971

Siga nas redes sociais

© 2020 • Minha Vida Literária • Todos os direitos reservados • fotos do topo por Ingrid Benício