[Resenha] O Clube P.S. Eu Te Amo – Cecelia Ahern | Minha Vida Literária
Minha Vida Literária
28

jul
2020

[Resenha] O Clube P.S. Eu Te Amo – Cecelia Ahern

Já se passaram sete anos desde que o marido de Holly Kennedy morreu — e seis desde que ela leu a última carta enviada por ele, pedindo a ela que tenha coragem de criar um novo caminho para si. Hoje, Holly sente orgulho de seu trajeto. Está quase decidida a morar com o novo namorado, Gabriel, e a vender a casa que tinha comprado com Gerry. Porém, quando sua irmã pede que ela compartilhe a história das cartas “P.S. Eu te amo” no seu podcast – e revisite as mensagens escritas por Gerry antes de morrer – ela aceita de forma relutante, incerta sobre reabrir as feridas do passado.
Após o programa ir ao ar, no entanto, um grupo inspirado nas cartas de Gerry, e que se autodenomina Clube P.S.: Eu te amo, aproxima-se de Holly para pedir a ajuda dela, que agora se vê de volta ao mundo que se esforçou tanto para deixar para trás. Mesmo hesitante, Holly começa a interagir com o clube e, conforme cada membro pede ajuda para deixar algo significativo para seus entes queridos, ela embarca em uma jornada que desafiará sua noção do que significa amar alguém para sempre…

 

Ficha Técnica

Título: O Clube P.S. Eu Te Amo
Título original: Postscript
Autor: Cecelia Ahern
Tradução: Giu Alonso
Editora: HarperCollins
Número de Páginas: 336
Ano de Publicação: 2020
Skoob: Adicione
Compare e compre: AmazonAmericanasSubmarino

 

Resenha: O Clube P.S. Eu Te Amo

Minhas expectativas para O Clube P.S. Eu Te Amo, lançamento de Cecelia Ahern no Brasil, eram mescladas ao receio. Por amar seu antecessor, P.S. Eu Te Amo, parte de mim queria muito retornar a uma história pela qual sou apaixonada; contudo, e se eu não gostasse da continuação? Felizmente, finalizei a leitura ainda mais encantada pela  trajetória de Holly.

Antes de morrer, Gerry deixou para a esposa uma série de cartas que deveriam ser abertas mensalmente, de forma a ajudá-la a encarar o primeiro ano após sua partida. Agora, seis anos depois de Holly ter lido a última carta, ela é obrigada a reviver seu passado doloroso: ao participar de um podcast contando sua experiência com o luto, ela inspira um grupo de pacientes terminais a fundarem o Clube P.S. Eu Te Amo, a fim de prepararem mensagens para seus entes receberem-nas depois que eles morrerem. Eles pedem a ajuda de Holly, mas ela sente que, se aceitar, estará se arriscando a voltar para um lugar ao qual ela não mais pertence.

Diferentemente do primeiro livro, O Clube P.S. Eu Te Amo é narrado em primeira pessoa, fazendo com que eu me sentisse ainda mais próxima de Holly. Algo que me agrada nessa história é o fato da protagonista não ser idealizada, o que significa que ela nem sempre faz as melhores escolhas ou age da forma mais simpática. Ela sofre, erra, aprende e busca seguir em frente de acordo com o que é capaz de lidar em cada momento — e isso nos dá uma sensação de conforto enorme, já que é sempre positivo encontrar uma representação tão humana de alguém. Ainda, a autora mescla diversão e emoção na escrita com habilidade, trazendo passagens ora mais sensíveis, ora mais divertidas. O humor suaviza o tema do luto e torna a leitura mais leve, sem deixar de ser comovente e inspiradora.

“Ela vai sentir a perda e o luto, mas também vai sentir a conexão e o amor, força e escuridão, tristeza e raiva, felicidade e medo. Tudo misturado, um caleidoscópio de emoções que brilham e desaparecem de um momento para o outro.”

(página 331)

A morte é tratada em O Clube P.S. Eu Te Amo sob um olhar cuidadoso. Cecelia Ahern aborda, sim, as dificuldades e dores, mas, para além disso, faz da morte um estágio da vida a que todos nós estamos sujeitos. Eu adorei ver personagens diferentes lidando com o enfrentamento da morte a seu próprio modo. Dessa maneira, a autora conseguiu justificar a existência da continuação: a atitude de Gerry e, em consequência, a compreensão de sua morte, é ressignificada aos olhos de Holly. Com isso, temos também o outro tema do livro, ligado às constantes mudanças da vida. Estamos nos transformando e sujeitos às transformações o tempo todo e, para cada final de ciclo, há um novo começo.

E é claro que, como toda boa continuação, O Clube P.S. Eu Te Amo também proporciona reencontros. Além de matar as saudades de um dos meus casais favoritos, pude também me encantar ainda mais por ele, já que Cecelia Ahern nos presenteia com mais memórias da vida conjugal de Holly e Gerry, inclusive de momentos da adolescência de ambos. Foram passagens que me fizeram sorir, chorar e me sentir ainda mais apaixonada pela história dos dois. Também, adorei reencontrar os demais personagens, especialmente pela passagem de seis anos em relação ao fim do primeiro livro. Dessa forma, o núcleo principal é mais velho do que o comumente encontrado em livros de romance, o que possibilita que sejam demonstrados temas e problemáticas mais típicos de uma fase da vida mais amadurecida. 

Por fim, vale dizer que O Clube P.S. Eu Te Amo tem, sim, sua dose de um novo romance, uma vez que Holly está em um relacionamento — e que é afetado por tudo aquilo que ela vive ao longo do enredo. Porém, o foco da história está na protagonista, em seu amadurecimento e constante processo de superação. Assim, virei a última página completamente emocionada. Além do livro ser delicioso de se ler, traz os ingredientes na medida certa para divertir e tocar, o que fez dessa uma das minhas leituras mais inspiradoras do ano. 

Observação: O Clube P.S. Eu Te Amo é o primeiro lançamento de Cecelia Ahern pela HarperCollins Brasil, nova casa editorial da autora. Ela já foi publicada pelas editoras Relume Dumará, Rocco e Novo Conceito, a qual havia anunciado, em 2019, Postscript (título original) como P.S. Eu Te Amo 2. Contudo, a publicação não aconteceu. Recebi a prova final não revisada de O Clube P.S. Eu Te Amo, que está em pré-venda e será publicado no final de agosto.





Deixe o seu comentário

5 Respostas para "[Resenha] O Clube P.S. Eu Te Amo – Cecelia Ahern"

RUDYNALVA CORREIA SOARES - 28, julho 2020 às (22:31)

Sabe Aione, quando vi o lançamento desse livro, apesar de querer muito, fiquei com medo de apagar a boa impressão que tive do primeiro, o qual amei.
E ainda não tinha lido nenhuma resenha dele e já estava ficando ansiosa, pois queria saber como tudo se passa e qual seria o enredo do livro.
Fiquei feliz em ver que há todo um projeto nessa continuação e um novo romance, mesmo que não seja o foco, mas o fato de Holly ter amadurecido e conseguido superar, já deu alento ao meu coração.
cheirinhos
Rudy

Angela Cunha - 29, julho 2020 às (07:28)

Eu amo um livro/filme! Eu perdi as contas de quantas vezes vi o filme e sim, li o livro. Por isso, quando essa continuação foi anunciada, eu quase infartei.
Estava muito curiosa para ler minha primeira resenha dele e olha a surpresa de ser aqui, colocada de uma forma tão delicada.
Holly precisou superar, mas até que ponto essa superação foi total?
Já preciso desse livro para ontem!!! Por tudo que li acima, a autora caprichou mais uma vez, em uma história de amor das melhores!
Beijo

Bianca Martins - 29, julho 2020 às (18:26)

Não li o primeiro e sinceramente não pretendo, não agora neste momento.
É aquilo que você falou no vídeo das dicas neah: podemos aceitar que as vz a gnt não quer ler algo, por mais premiado que seja…rs

eliane - 29, julho 2020 às (21:50)

OLA eu tenho o primeiro livro mas ainda não li
e achei a proposta da autora em trazer a protaginista contando sua estoria de vida e ajudando outras pessoas .
e tambem que ela está em um novo relacionamento

Ray Cunha - 06, agosto 2020 às (19:18)

Olá Aione,
Adorei ler sua resenha e conhecer um pouco mais sobre esse lançamento. Não cheguei a ler o primeiro livro. Assisti o filme, então tenho uma ideia da história, e achei bem interessante abordar o luto tantos anos depois, e até mesmo em um novo relacionamento.

Beijo!
http://www.amorpelaspaginas.com

Minha Vida Literária

Caixa Postal 452

Mogi das Cruzes/SP

CEP: 08710-971

Siga nas redes sociais

© 2020 • Minha Vida Literária • Todos os direitos reservados • fotos do topo por Ingrid Benício