[Resenha] A Casa das Orquídeas — Lucinda Riley | Minha Vida Literária
18

dez
2018

[Resenha] A Casa das Orquídeas — Lucinda Riley

Título: A Casa das Orquídeas
Título original: The Orchid House
Autor: Lucinda Riley
Tradutor: Fernanda Abreu
Editora: Arqueiro
Número de Páginas: 528
Ano de Publicação: 2018
Skoob: Adicione
Compare e compre: AmazonAmericanasSubmarino

Quando criança, Julia viveu na grandiosa propriedade de Wharton Park, na Inglaterra, ao lado de seus avós. Lá, a tímida menina cresceu entre o perfume das orquídeas e a paixão pelo piano.
Décadas mais tarde, agora uma pianista famosa, Julia é obrigada a retornar ao local de infância na pacata Norfolk após uma tragédia familiar. Abalada e frágil, ela terá que reconstruir sua vida.
Durante sua recuperação, ela conhece Kit Crawford, herdeiro de Wharton Park, que também carrega marcas do passado. Ele lhe entrega um velho diário que trará à tona um grande mistério, antes guardado a sete chaves pela avó dela.
Ao mergulhar em suas páginas, Julia descobre a história de amor que provocou a ruína da propriedade: separados pela Segunda Guerra Mundial, Olivia e Harry Crawford acabaram influenciando o destino e a felicidade das gerações futuras.
Repleto de suspense, A Casa das Orquídeas viaja da conturbada Europa dos anos 1940 às paisagens multicoloridas da Tailândia, tecendo uma trama complexa e inesquecível.

A Casa das Orquídeas é o primeiro livro assinado por Lucinda Riley, que, antes da publicação desse, escreveu outros oito títulos assinados por Lucinda Edmonds. No Brasil, a obra foi primeiramente publicada pela editora Novo Conceito em 2012 e, agora, recebeu uma nova edição pela editora Arqueiro.

Julia passou parte da infância em Wharton Park, mansão onde seus avós trabalharam por toda a vida. Já adulta, ela retorna ao local, agora bastante decadente, e conhece seu herdeiro, Kit Crowford, que entrega a ela um diário que, segundo ele, pertencera ao avô de Julia. Ao entregá-lo a avó, ela descobre que segredos do passado foram responsáveis pela ruína da propriedade — e que os mesmos segredos são capazes de abalar as gerações futuras da família.

A Casa das Orquídeas é um daqueles livros que reúnem várias histórias em uma. Ao mesmo tempo em que pouco a pouco conhecemos a trajetória de Julia, fortemente abalada por uma tragédia familiar, bem como o desenvolvimento de sua relação com Kit, que também carrega suas marcas, nos vemos também mergulhados em uma trama do passado, acompanhando a história de Olivia e Harry Crawford, que se estende desde o período pré-Segunda Guerra Mundial até os primeiros anos subsequentes ao conflito. Dessa maneira, a trama engendrada por Lucinda Riley é bastante complexa e, por isso, a narrativa que a tece precisa também ser minuciosa, a fim de dar conta de todos os detalhamentos responsáveis por tornarem a leitura completa e envolvente.

Um dos pontos que mais gostei da leitura, além da história em si, foi observar os personagens lidando com suas próprias dificuldades. Cada uma das figuras que aparece no enredo carrega suas cicatrizes, receios e anseios, de forma a, muitas vezes, se verem em situações complicadas, que exigem escolhas que, às vezes, parecem estar fora de alcance. Me agradou a maneira de como os conflitos emocionais foram colocados, especialmente por, também, estarem ligados aos contextos sócio-históricos nos quais cada personagem está inserida.

Porém, ainda que eu tenha gostado da leitura como um todo, senti certo afastamento, que não me permitiu uma conexão total. Como esse foi meu segundo contato com uma obra de Lucinda Riley, foi impossível que eu não o comparasse com O Segredo de Helena, cuja narrativa foi tão envolvente que me fez mergulhar de cabeça na leitura. Dessa vez, senti certa artificialidade especialmente nos diálogos, assim como muitos dos eventos mais me parecerem artifícios para fazer da obra cheia de reviravoltas do que eventos naturais na leitura. Com isso, quero dizer que, em boa parte do tempo, eu me lembrava que tinha um livro em mãos, em vez de simplesmente mergulhar e me sentir parte daquela história. Também, um acontecimento mais ao final, ligado à vida de Julia, me pareceu bastante desnecessário e soou como um “sensacionalismo” no enredo; em minha preferência pessoal, teria achado muito mais significativo que isso não tivesse acontecido, em vez de ter mais essa reviravolta nos acontecimentos.

De modo geral, embora eu tenha tido algumas ressalvas com A Casa das Orquídeas, ainda assim gostei da leitura e fiquei curiosa para conhecer outros trabalhos de Lucinda Riley, especialmente os mais bem comentados, como a série As Sete Irmãs. Ainda que a narrativa, dessa vez, não tenha me permitido um envolvimento tão grande, fiquei impressionada com a habilidade da autora em criar uma história tão completa e tão cheia de detalhes, além de seu talento em trazer cenários diversos ao enredo. Para quem gosta de histórias recheadas de acontecimentos, que mesclam diferentes épocas e espaços, o livro é mais do que recomendado.





Deixe o seu comentário

3 Respostas para "[Resenha] A Casa das Orquídeas — Lucinda Riley"

Anna Mendes - 19, dezembro 2018 às (18:04)

Oi Aione!
Amei a resenha!! <3
Que linda e delicada a capa desse livro!
Gostei bastante da premissa desse livro! Parece ser uma história que mistura romance com suspense, além de intercalar tramas do passado e do presente, e eu gosto quando encontro esses elementos nos livros que leio!
Nunca li nada da autora e confesso que os seus comentários me deixaram um pouco receosa em começar a ler as obras dela através de A Casa das Orquídeas.
Talvez eu comece pelo O Segredo de Helena. Mas de qualquer forma, fiquei muito curiosa para conhecer a escrita da autora! 🙂
Bjos!

Responder

Angela Cunha - 20, dezembro 2018 às (07:10)

Me considero suspeita para falar algo sobre o trabalho da Lucinda!Ela é sem sombra de dúvidas, uma das minhas autoras favoritas e este livro para mim, é maravilhoso!
Esse jeito único da autora passear livremente no passado e se jogar no presente é fabuloso e eu adorei a construção de todos os personagens! rs
Beijo

Responder

Ana I. J. Mercury - 31, dezembro 2018 às (15:02)

Oi, Aione, tô louca pra lê-lo!
Provavelmente lerei em janeiro agora.
Essa a capa nova tá muitoooo linda mesmo.
Adorei sua resenha, tô bastante ansiosa, me indicaram bastante esse livro.
Eu já seis outros da Lucinda e gosto muito. Não concordo com tudo o que ela coloca na trama, pois sempre têm muitas traições em seus livros, mas acho legais sim, principalmente a questão de ter tantos países misturados, a cultura toda que ela aborda é bem legal.
bjs

Responder

Últimas Resenhas

Minha Vida Literária • todos os direitos reservados © 2019 • powered by WordPress • Desenvolvido por Responsivo por