[Resenha] O Ar Que Ele Respira – Brittainy C. Cherry | Minha Vida Literária
Minha Vida Literária
30

out
2020

[Resenha] O Ar Que Ele Respira – Brittainy C. Cherry

Como superar a dor de uma perda irreparável? Elizabeth está tentando seguir em frente. Depois da morte do marido e de ter passado um ano na casa da mãe, ela decide voltar a seu antigo lar e enfrentar as lembranças de seu casamento feliz com Steven. Porém, ao retornar à pequena Meadows Creek, ela se depara com um novo vizinho, Tristan Cole. Grosseiro, solitário, o olhar sempre agressivo e triste, ele parece fugir do passado. Mas Elizabeth logo descobre que, por trás do ser intratável, há um homem devastado pela morte das pessoas que mais amava. Elizabeth tenta se aproximar dele, mas Tristan tenta de todas as formas impedir que ela entre em sua vida. Em seu coração despedaçado parece não haver espaço para um novo começo. Ou talvez sim.

 

Ficha Técnica

Título: O Ar Que Ele Respira
Título original: The Air He Breathes
Autor: Brittainy C. Cherry
Tradução: Meire Dias
Editora: Record
Número de Páginas: 354
Ano de Publicação: 2016
Skoob: Adicione
Compare e compre: AmazonAmericanasSubmarino

 

Resenha: O Ar Que Ele Respira

O Ar Que Ele Respira é o primeiro livro da série Elementos, de Brittainy C. Cherry. Composta por quatro livros que aludem a um diferente elemento da natureza — ar, fogo, água e terra —, trazem histórias independentes entre si e que não precisam ser lidas em ordem.

Após um ano da morte de seu marido, Elizabeth retorna para a cidade onde morava em uma tentativa de recomeçar a vida, mesmo ainda enfrentando o luto. Lá ela conhece o novo vizinho, Tristan, famoso por ser grosseiro e anti-social. Contudo, ela enxerga nele feridas tão profundas quanto as suas, o que permite uma aproximação entre ambos e seus respectivos processos de cura.

A escrita de Brittainy C. Cherry é tão fluida e ágil aqui quanto em seus demais livros a que tive contato, Sr. Daniels e Arte e Alma. Em primeira pessoa, ela alterna as perspectivas entre os protagonistas, essencial principalmente no caso de Tristan, que demonstra ser alguém muito diferente do que ele é em sua essência. Inclusive, eu tinha receio de que ele fosse mais um bad boy com atitudes abusivas sendo romantizadas, mas não é o caso. Mesmo que ele não seja a melhor das pessoas no início do livro, é possível compreender o personagem com o passar das páginas. Mais do que tudo, ele não age com Elizabeth, durante o desenvolvimento da relação, como alguém de fato problemático e que tem atitudes discutíveis. Há, também, flashbacks que permitem ao leitor conhecer o passado difícil dos dois.

Mesmo com a grande carga dramática da trama, há também um inegável toque de humor, que traz leveza e diversão em muitos momentos. Foram, sem dúvidas, as minhas passagens preferidas, especialmente quando havia a participação de Faye, melhor amiga de Elizabeth. A presença de Emma, filha de Elizabeth, também traz momentos delicados, sobretudo quando em contato com Tristan.

Os temas centrais de O Ar Que Ele Respira são o luto e o julgar o outro a partir de falsas impressões, e gostei de como Brittainy C. Cherry evidenciou como a dor pode levar alguém a se perder e o quanto esse processo é individual, de maneira que cada pessoa reage a seu próprio modo. A forma como o romance entre Elizabeth e Tristan se inicia é, certamente, não saudável, e gostei da maneira que isso foi colocado na história, corroborando o quanto cada um deles não sabe lidar com as próprias emoções. Mas, apesar de eu ter gostado das temáticas trabalhadas e de muitas das passagens mais emotivas, seria mentira se eu dissesse que fui, de fato, cativada pela leitura. Senti que faltou envolvimento da minha parte, então os acontecimentos me soaram forçados e superficiais. As reviravoltas não me surpreenderam, e o final, cujo intuito foi de causar mais angústia — além de surpresas — só reforçou a sensação artificial do enredo.

Em linhas gerais, O Ar Que Ele Respira foi, dos livros de Brittainy C. Cherry, o que menos gostei até o momento, uma vez que não me senti convencida por ele. Sei que sou minoria entre os fãs do gênero e indico a leitura para quem gosta de histórias com um maior apelo dramático e com mensagem de superação: se você se envolver com a narrativa, são grandes as chances de ela te conquistar. Não pretendo ler os demais livros da série Elementos, mas ainda tenho curiosidade em conhecer outros títulos da autora, como os bem comentados Vergonha e Eleanor e Grey

 

Série Elementos





Deixe o seu comentário

5 Respostas para "[Resenha] O Ar Que Ele Respira – Brittainy C. Cherry"

Anna Mendes - 30, outubro 2020 às (18:51)

Oi Aione!
Li O Ar Que Ele Respira esse ano e foi o meu primeiro contato com um livro da Brittainy C. Cherry.
Acho que minhas expectativas estavam altas demais, porque apesar de ter sido uma leitura gostosa e tranquila de fazer, a história também não me cativou.
Não foi um romance que me marcou ou emocionou. Tem algumas atitudes dos protagonistas que eu não concordei, o que acabou me incomodando.
Também não tenho interesse em continuar a leitura da série, mas tenho curiosidade de ler outros livros da autora, principalmente Arte E Alma, que é um livro que já vi você falando e gostei da premissa.
Bjos!

eliane - 30, outubro 2020 às (22:25)

Ola
eu tenho esse livro mas ainda não li, gosto de livros dramaticos com estoria de superaçao .tambem tenho muita vontade de ler Vergonha .

RUDYNALVA CORREIA SOARES - 31, outubro 2020 às (00:27)

AAione!
Esses livros com cargas altas de drama e sofrimento, acabam nos conquistando.
Adoro livros onde as crianças tomam a cena dos protagonistas, dão sempre um brilho diferente ao enredo.
Fiquei apaixonada pelo mote e curiosa por saber se a protagonista vai conseguir superar sua própria dor e curar a dor de seu vizinho.
cheirinhos
Rudy

Angela Cunha - 31, outubro 2020 às (08:32)

Tive meu primeiro contato com as letras da autora estes dias lendo Eleanor e Grey e confesso que chorei tanto, tanto que pretendo ler tudo da autora!!!
Dizem por aí que Vergonha é lindo demais e sim, pretendo ler.
Esse série dos elementos, também está na listinha a ser cumprida(nem que seja em outra vida rs)
Eu gostei dessa forma de abordar o luto,mas também de ter uma dose de bom humor!!!!
Beijo

Ana I. J. Mercury - 31, outubro 2020 às (18:38)

Oi, Aione
Aii tentei ler ele duas vezes e não consegui passar das primeiras páginas.
Também abandonei outros dois da autora, rsrsrsrs
Mas fiquei curiosa com o que fez Tristan e Elizabeth sofrerem tanto, o que lhes magoou e como vão conseguir seguir e frente.
Espero que o final seja feliz.
bjs

Minha Vida Literária

Caixa Postal 452

Mogi das Cruzes/SP

CEP: 08710-971

Siga nas redes sociais

© 2020 • Minha Vida Literária • Todos os direitos reservados • fotos do topo por Ingrid Benício