[Resenha] Algum Dia — David Levithan - Minha Vida Literária
Minha Vida Literária
02

mar
2022

[Resenha] Algum Dia — David Levithan

Desde que A consegue se lembrar, a vida significa acordar no corpo de uma pessoa diferente todos os dias, vivendo assim por 24 horas. Sem poder escolher onde será a próxima manhã.
Se apaixonar por Rhiannon não estava em seus planos, mas foi inevitável. Tentando fugir desse amor impossível, A desaparece, acreditando que será o melhor para o casal. Mas as lembranças ainda estão impressas em Rhiannon e não existe um dia em que a garota não sinta saudades.
Enquanto isso, A continua com o coração partido, acreditando ser a única pessoa no mundo que troca de corpo todos os dias. Mas A estava errado. Há outros. X está à sua procura e não medirá esforços até conseguir um encontro. X alega querer apenas conversar, mas será que suas intenções são só essas? Será que X tem as respostas que A tanto busca? Mas a que preço?
Muito mais do que uma história de amor, “Algum Dia” narra as múltiplas vivências de A, ora como um adolescente vitima de bullying, ora como um garoto lutando contra a pobreza, para falar da importância da empatia e tocar em uma profunda questão filosófica: o que nos torna humanos?

 

Ficha Técnica

Título: Algum Dia
Título original: Someday
Autor: David Levithan
Tradução: Ana Lima
Editora: Galera Record
Número de Páginas: 336
Ano de Publicação: 2019
Skoob: Adicione
Compre: AmazonAmericanasSubmarino

 

Resenha: Algum Dia

Algum Dia fecha a trilogia de David Levithan formada, além desse, por Todo Dia e Outro Dia. Com tradução de Ana Lima, o livro foi publicado em 2019 no Brasil pela Galera Record.

Em Todo Dia, conhecemos a história de A, um ser que acorda todos os dias em corpos diferentes, sem ter o seu próprio — e em consequência, sem gênero, raça, orientação sexual e aparência definidos. Ao se apaixonar por Rhiannon, A tenta todos os dias reencontrá-la, buscando uma maneira de se relacionarem. Em Outro Dia, a mesma história é contada, mas pelo ponto de vista de Rhiannon, abordando sobretudo a relação abusiva vivida por ela quando conhece A. Em Algum Dia, a história continua do ponto onde parou, um final que havia sido um tanto quanto aberto tanto em relação ao que ainda poderia acontecer entre A e Rhiannon quanto sobre possíveis outras existências como a de A.

Sou apaixonada pela escrita de David Levithan desde que li Todo Dia, há quase dez anos. Todos os seus livros posteriores a que tive contato entregaram uma escrita extremamente sensível, além de uma visão de mundo muito empática, que sempre me encanta. Em Algum Dia essas características mais uma vez se fazem presente, de maneira que finalizei a leitura emocionada e admirando ainda mais o autor.

“Eu me agarrei às minhas histórias ao entender que cada um de nós tem uma multidão de histórias, e que nenhuma delas termina dizendo exatamente a mesma coisa. Cada um de nós guarda ao menos uma história que dói muito para contar. Cada um de nós guarda ao menos uma história na qual somos surpreendidos pela nossa própria força. Cada um de nós guarda uma história que nunca se tornou realidade — a história que mais gostaríamos de poder contar.”

página 162

Em termos de leitura, Algum Dia foi o mais lento da trilogia em minha experiência, sobretudo porque, até certo ponto, fiquei um pouco receosa de qual seria seu desenvolvimento. Como aqui há a aparição de outros seres como A e de, também, um possível vilão, temi que o enredo se propusesse a trazer explicações sobre a condição de A, se encaminhando para um lado maior da fantasia — e com direito à definição de heróis e vilões. Contudo, para meu alívio, não é isso o que está em questão, e a existência de A continua funcionando como metáfora para a própria condição humana, permitindo inúmeras reflexões sociais e filosóficas a partir disso.

A narrativa se alterna, sempre em primeira pessoa, entre as perspectivas de diversos personagens —  A, Rhiannon, Nathan e demais seres similares a A —, de maneira a termos uma visão muito completa do enredo. Os sentimentos e conflitos de cada personagem são bastante bem demonstrados, assim como é interessante perceber vivências diferentes das de A. Em especial, o valor da oposição entre A e X se dá pela complexidade que a perspectiva de X traz à trama. Em relação ao romance, mais uma vez David Levithan me conquistou, seja pela intensidade dos sentimentos demonstrados, seja pelas conclusões que tanto Rhiannon quanto A chegam a respeito da relação que dividem. Fiquei maravilhada pelas mensagens de liberdade, respeito e apoio atreladas ao amor, muito mais do que a um sentimento de posse ou a uma condição definida.

Em linhas gerais, Algum Dia foi, da trilogia, o que menos me cativou, mas ainda assim me proporcionou uma leitura repleta de reflexões, como David Levithan sempre consegue fazer. Finalizei o livro emocionada, ciente de que A, Rhiannon e o próprio autor são figuras extremamente especiais, cujos ensinamentos certamente levarei comigo.





Deixe o seu comentário

Minha Vida Literária

Caixa Postal 452

Mogi das Cruzes/SP

CEP: 08710-971

Siga nas redes sociais

© 2022 • Minha Vida Literária • Todos os direitos reservados • fotos do topo por Ingrid Benício