[Resenha] Pessoas Normais – Sally Rooney | Minha Vida Literária
Minha Vida Literária
04

dez
2020

[Resenha] Pessoas Normais – Sally Rooney

Na escola, no interior da Irlanda, Connell e Marianne fingem não se conhecer. Ele é a estrela do time de futebol, ela é solitária e preza por sua privacidade. Mas a mãe de Connell trabalha como empregada na casa dos pais de Marianne, e quando o garoto vai buscar a mãe depois do expediente, uma conexão estranha e indelével cresce entre os dois adolescentes ― contudo, um deles está determinado a esconder a relação.
Um ano depois, ambos estão na universidade, em Dublin. Marianne encontrou seu lugar em um novo mundo enquanto Connell fica à margem, tímido e inseguro. Ao longo dos anos da graduação, os dois permanecem próximos, como linhas que se encontram e separam conforme as oportunidades da vida. Porém, enquanto Marianne se embrenha em um espiral de autodestruição e Connell começa a duvidar do sentido de suas escolhas, eles precisam entender até que ponto estão dispostos a ir para salvar um ao outro. Uma história de amor entre duas pessoas que tentam ficar separadas, mas descobrem que isso pode ser mais difícil do que tinham imaginado.

 

Ficha Técnica

Título: Pessoas Normais
Título original: Normal People
Autor: Sally Rooney
Tradução: Débora Landsberg
Editora: Companhia das Letras
Número de Páginas: 264
Ano de Publicação: 2019
Skoob: Adicione
Compare e compre: AmazonAmericanasSubmarino

 

Resenha: Pessoas Normais

Foram muitos os burburinhos sobre Pessoas Normais, segundo romance da irlandesa Sally Rooney, especialmente após o lançamento da série homônima adaptada do livro. 

Connell e Marianne estudam na mesma escola, mas fingem que não se conhecem. Ele, filho de Lorraine, que trabalha para a família de Marianne, é popular, enquanto ela é solitária. Uma relação secreta entre eles se inicia, estendendo-se para os anos da faculdade, sempre marcados pelos encontros e desencontros entre os dois e pela troca de seus papéis sociais.

A premissa de Pessoas Normais me lembrou a de Um Dia, de David Nicholls. Como no romance do autor, o tempo aqui é um fator de extrema importância, marcado não apenas pela passagem dos anos, mas principalmente pela escolha narrativa de Sally Rooney. Em terceira pessoa no presente, a sensação durante a leitura é a de um quadro sendo pintado, com uma presentificação muito intensa dos instantes narrados. Mais do que isso, os capítulos são sempre separados pela diferença de alguns meses entre eles, de maneira que, também, transmitem uma impressão muito grande de efemeridade — um dos temas do romance. É como se, de fato, apenas o agora existisse, e nada além dele fosse o bastante para ser mantido, como se nada sobrevivesse à ação do tempo. Essa fluidez do tempo é também sentida nos diálogos, que aparecem mesclados à narrativa sem sinalização por aspas ou travessão. 

Através das personalidades, anseios e conflitos de Connell e Marianne, Sally Rooney aborda questões de saúde mental, políticas e das próprias relações que estabelecemos com o outro. É bonita a maneira como a autora demonstra o impacto que causamos na vida de alguém e como somos impactados, podendo ocasionar uma alteração gigantesca em nossas trajetórias. Quem seríamos se não tivéssemos cruzado com determinada pessoa? Quem ela seria e onde estaria? Em um ano de isolamento social, uma mensagem como essa nos lembra que não somos ilhas isoladas, mas afetamos e somos afetados pelo outro constantemente. Também, as questões políticas relativas às visões de mundo dos personagens aparecem não só como críticas ao capitalismo, mas também na construção individual desses sujeitos e na maneira de como eles são lidos: as diferenças de classe social são a todo momento contrapostas, ligadas, inclusive, à necessidade de aprovação que cada um terá.

As relações familiares, assim como as amizades, contribuem para moldar os personagens não só por como eles são afetados a partir desses relacionamentos, mas também pelo que eles aceitam sobre ele. Os desconfortos internos, as buscas individuais e as projeções que levariam a uma tentativa de preenchimento são constantes, assim como é constante o descontentamento. Assim, a partir dessas indagações e desânimos, Connell e Marianne se sentem deslocados, questionando como seria se fossem normais — sem se darem conta que esse é o pensamento que reverbera para além deles. Afinal, o que é ser normal? Se dores tão próximas de pessoas tão aproximadas ainda assim não são reconhecidas, não estaríamos todos vivendo as mesmas angústias, cada um a seu próprio modo? Pela sensibilidade da autora ao trabalhar emoções tão complexas e delicadas, senti nos personagens dores que são minhas, de forma que a leitura foi pungente e catártica nesses momentos.

É assim que Sally Rooney conduz Pessoas Normais, entre encontros e desencontros de um amor que cresce nas dificuldades de se amadurecer, na dificuldade de compreender a marcha da vida. Foi impossível finalizar o livro sem sentir seu impacto, porque a realidade crua e brutal está presente até a última linha, sem tempo para alívio. A mensagem é a de que estamos todos tentando e de que tudo é passageiro — menos, talvez, os impactos que causamos ao cruzar nossos caminhos com outros.





Deixe o seu comentário

5 Respostas para "[Resenha] Pessoas Normais – Sally Rooney"

eliane - 04, dezembro 2020 às (20:23)

Ola Aione
eu vi algumas resenhas desse livro e confesso que não despertou minha vontade de ler ,
pode ser que um dia eu o encontre em algum sebo por um preço legal .não sei ,por ora não adicionarei na minha lista de desejados . até porque já tem muito .

RUDYNALVA CORREIA SOARES - 04, dezembro 2020 às (21:48)

Aione!
Quando um livro nos mostra a realidade da vida, claro que traz grande impacto.
Quando o livro traz tanta dualidade entre as personagens e ainda assuntos que tocam os leitores, porque de alguma forma há uma identificação, a crítica aclama mesmo, porque vende o livro.
Gostei de saber que é um livro irlandês, diferente dos eixos literários que nos acostumamos a ler.
cheirinhos
Rudy

Angela Cunha - 05, dezembro 2020 às (08:37)

Eu ainda não vi a série, mas pretendo ver o quanto antes.
O livro deu muito oque falar nesse ano, acredito que por trazer personagens que retratam demais a realidade da vida. Todos nós carregamos as incertezas da vida, os medos,mas também as alegria e pelo que pude entender acima, é assim, pessoas comuns, com problemas e alegrias comuns!
Espero sim, ler!!!
Beijo

Anna Mendes - 07, dezembro 2020 às (10:13)

Oi Aione!
Adorei a resenha!
Eu estava bem curiosa para saber mais sobre Pessoas Normais, pois, como você comentou, há um burburinho muito grande em torno desse livro, acho que principalmente por causa da série, que eu ainda não assisti.
Pela premissa e pelos seus comentários, parece ser uma história intensa, emocionante e repleta de sensibilidade.
Achei muito interessante essa questão da inversão dos papéis sociais que a autora traz para a história.
Também gosto bastante de ler livros que tratam sobre saúde mental.
Fiquei com muita vontade de fazer a leitura e já vou colocá-lo na minha lista de desejados! 😉
Bjos!

Elizete Silva - 30, dezembro 2020 às (22:05)

Olá! Confesso que tenho um pouco de receio em ler esse livro, em razão da história desses dois, parecer ser tão próxima da nossa realidade, acho que em 2020 eu estou fugindo um pouco dessa nossa realidade já tão cruel.

Minha Vida Literária

Caixa Postal 452

Mogi das Cruzes/SP

CEP: 08710-971

Siga nas redes sociais

© 2021 • Minha Vida Literária • Todos os direitos reservados • fotos do topo por Ingrid Benício