[Resenha] Amityville — Jay Anson | Minha Vida Literária
Minha Vida Literária
03

mar
2020

[Resenha] Amityville — Jay Anson

Título: Amityville
Título original: Amityville
Autor: Jay Anson
Tradução: Eduardo Alves
Editora: Darkside books
Número de Páginas: 240
Ano de Publicação: 2016
Skoob: Adicione
Compare e Compre: AmazonAmericanas ♥ Submarino

Depois de passar algumas décadas fechada, a propriedade no número 112 da Ocean Avenue no subúrbio de Nova York finalmente abre as portas para os leitores da DarkSide® Books. Cercada pela natureza, com janelas amplas e uma sacada espaçosa, ela poderia ser uma casa de bairro tranquila como todas as outras, não fosse seu passado devastador e sangrento. Em 1975, George e Kathleen Lutz resolveram recomeçar a vida em uma nova residência que compraram por uma pechincha. Vinte e oito dias depois, os cinco membros da família fugiram aterrorizados, deixando a maior parte de seus pertences para trás. Estranhos eventos começaram a acontecer, afetando a vida dos Lutz e indicando que uma presença maligna habitava a casa. Embora tenha sido amplamente divulgada pela mídia, em especial nos jornais e nas revistas da época, muitas vezes de maneira sensacionalista, a história da casa nunca havia sido contada com riqueza de detalhes — até Jay Anson decidir reconstruí-la e transformar seu livro de não-ficção em um dos relatos paranormais mais importantes e conhecidos de todos os tempos.
Baseado nas experiências sobrenaturais reportadas pelos Lutz durante o mês de dezembro de 1975 e o começo de janeiro de 1976, Amityville é um dos livros mais aguardados pelos leitores da Caveirinha. Por isso mesmo, muito mais do que dar apenas aquela demão de tinta, a DarkSide® Books vai fazer uma reforma completa na casa, apresentando a sombria construção em detalhes, do quarto secreto no porão às verdadeiras manchas nas portas e nas paredes escondidas pelas tintas do tempo — tudo exatamente como aconteceu, com todos as entidades e vozes que habitaram o sótão, o porão e demais cômodos da casa —, em uma edição assustadora e com o cuidado quase sobrenatural da editora mais dark do Brasil. Adaptada várias vezes para o cinema e contando também com diversos spin-offs, a história de Amityville hoje é amplamente conhecida e é considerada um dos mais importantes relatos sobre casas mal-assombradas da cultura popular.

Amityville foi um dos primeiros livros de terror que li e posso dizer que, por algumas semanas, as luzes da minha casa não tiveram descanso. É aqui que Jay Anson vai trazer uma narrativa baseada em fatos reais, retratando as experiências sobrenaturais reportadas pelos Lutz durante o mês de dezembro de 1975.

A propriedade número 112 da Ocean Avenue (você nunca vai esquecer essas duas palavras) no subúrbio de Nova York é finalmente alugada por uma nova família, os Lutz. E, quando digo “finalmente”, é que por ter um passado tão sangrento, dificilmente alguém colocaria caixas de mudança lá dentro. No dia 13 de Novembro de 1974, um crime brutal chocou os EUA: Ronald Defeo Jr. admitiu ter matado seus pais e quatro irmãos com tiros nas costas, alegando ter sido influenciado por vozes em sua cabeça. A casa se tornou mal-assombrada desde então — o que não parecia ser um problema para George e Kathleen Lutz, casal que resolveu recomeçar a vida em uma residência maior, o sonho de sua vida, próxima ao rio, muito maior e mais bonita, que custava uma pechincha! Tudo estaria incrível, até estranhos acontecimentos afetarem a vida dos Lutz, indicando coisas realmente ruins dentro daquela casa. Vinte e oito dias depois da mudança, os cinco membros da família fugiram aterrorizados, deixando seus pertences para trás.

Eu sempre fui uma pessoa medrosa, mas amo filmes e livros de terror — escolho um e depois durmo de luz acesa! O que muito me influencia no medo são os cenários, mais que os sons. Se me descrever um lugar escuro com uma estátua de leão com olhos vermelhos me encarando, vai me assustar bastante.  E em Amityville é assim, com descrições de objetos que você tem certeza de que estavam em uma posição e depois estão em outra, além de outros detalhes que transbordam tensão narrativa. A cada passo que os personagens dão, a tensão aumenta. Os sussurros na casa, o apagar das luzes no térreo, tudo é arrepiante.

Acredito, é claro, que muito influencia estarmos conscientes de que é uma narrativa baseada em um acontecimento real, em uma família que passou por tudo isso, teve seus momentos de transtornos psicológicos e ficou claramente absorvida por aquela atmosfera cruel criada pela chacina ocorrida com os moradores anteriores. Os personagens são redondos, com motivações por vezes cheias de luxúrias que se conectam a essa parte ruim da casa. Como se fossem uma coisa só e um não pudesse simplesmente ir embora e abandonar o outro. Nessa entrega vive a família Lutz com a casa.

Em um enredo que expressa a perversidade e a sensibilidade humana, fui arrastada para dentro de Amityville e da casa número 112 da Ocean Avenue, onde o mal se esconde, sendo impossível ignorar o chamado até a última página. Dê uma conferida nessa história e não esqueça de deixar a luz acesa!





Deixe o seu comentário

10 Respostas para "[Resenha] Amityville — Jay Anson"

MATHEUS LEITE CARVALHO - 03, março 2020 às (18:20)

Eu li esse livro em inglês e foi um dos mais assustadores que já li. Ainda não li em português.
Como sempre, a DarkSide caprichou na edição.
Vamos aguardar.
Excelente resenha.
Parabéns.

RUDYNALVA CORREIA SOARES - 03, março 2020 às (20:42)

Francine!
Não li essa adaptação ainda, mas bem gostaria, porque acho intrigante quando os livros são baseados em acontecimentos reais.
E claro que todos os questionamentos que devemos mesmo fazer sobre o sobrenatural, afinal, muitas pessoas são bem céticas em relação a isso, o que não é o meu caso…
cheirinhos
Rudy

Angela Cunha - 04, março 2020 às (12:38)

Tipo de livro que me agrada demais. Aliás, difícil ter vivido essa vida sem ter lido ou visto o nome de Amityville né? Eu amo muito tudo isso, apesar de ser a medrosa em filmes de terror.
O terror escrito me agrada demais e já vai para a listinha de desejados, já que essa edição está impecável!
Beijo

Luana Martins - 04, março 2020 às (15:25)

Oi, Francine
Terror até gosto, mas não é o tipo de livro que procuro com frequência.
Um pouco difícil de acreditar que uma casa linda num bairro chique nos Estados Unidos seja mal assombrada, mas essas coisas existem.
A edição é linda, vai para lista de desejos.
Beijos

Scheila - 04, março 2020 às (16:53)

Oii, Fran!

Que máximo essa resenha! Acredito que nunca tenha lido um livro de terror.. Assim como não gosto de assistir filme desse mesmo gênero, medo! kk
Mas eu fiquei tão impressionada com as coisas que você contou na resenha, que fiquei com vontade de ler.. Mas saber que é baseada em fatos reais me deixa apreensiva kk.
Gostei muito!

Beijos!

Anna Mendes - 07, março 2020 às (14:18)

Oi Fran!
Nossa, adorei você ter feito a resenha desse livro!
Eu já tinha ouvido falar de Amityville, mas não sabia que era baseado em uma história real!
Isso me deixou muito empolgada para fazer a leitura, porque apesar de sentir medo, eu gosto muito de ler livros de terror, mas nunca li um baseado em fatos reais.
Bjos!

Elizete Silva - 24, março 2020 às (21:23)

Olá! Confesso que esse é aquele tipo de história que eu passo longe, bem longe mesmo (risos), ainda mais depois de saber que estamos falando de fatos reais. Definidamente o gênero não faz meu estilo, mesmo com uma edição tão caprichada não é o tipo de livro que eu quero aqui na minha estante #sorry.

ANA PAULA SANTOS MOREIRA - 28, março 2020 às (00:32)

Morro de medo de livros de terror, a coragem não passa perto de mim de jeito nenhum. Conheço a história de Amityville por ouvi de alguém e por acompanhar nos blogs, mas o livro mesmo acho que nunca vou ter coragem de ler, por mais interessante que seja.

Rayane - 29, março 2020 às (13:55)

Adoro livros de terror. Amo livros que são capazes de dar arrepios na espinha e esse parece um desses. Estou bastante curiosa para conhecer essa família e a história dessas coisas inexplicáveis e ameaçadoras que acontece com eles!!

Ana I. J. Mercury - 31, março 2020 às (12:36)

Oi, Francine
Nossa, que crime mais horrível!
E coitada dessa família.
Parece até ser interessante, mas não conseguirei ler não.
Sou muito medrosa e fujo de tudo que tem terror. kkkkkkk
Eu não passaria nem na rua dessa casa, rsrsrs
bjs

Minha Vida Literária

Caixa Postal 452

Mogi das Cruzes/SP

CEP: 08710-971

Siga nas redes sociais

© 2020 • Minha Vida Literária • Todos os direitos reservados • fotos do topo por Ingrid Benício