[Livros Na Telona] Dias Vazios | Hoje Está Um Dia Morto — André de Leones | Minha Vida Literária
05

jun
2019

[Livros Na Telona] Dias Vazios | Hoje Está Um Dia Morto — André de Leones

Imagem: Divulgação

Sobre o Livro

Título: Hoje Está Um Dia Morto
Autor: André de Leones
Editora: Record
Número de Páginas: 160
Ano de Publicação: 2006
Skoob: Adicione
Compre: Amazon

Vencedor do Prêmio SESC de literatura de 2005, Hoje Está Um Dia Morto é o romance de André de Leones publicado pela Editora Record há mais de uma década. Com uma narrativa ágil, o livro abarca o período de um dia na vida dos personagens em uma cidade do Centro-Oeste brasileiro.

Quem conta a história é Daniel, narrador-autor que assume escrever o que aconteceu com os jovens Jean e Fabiana mesclando os fatos dos quais teve conhecimento à sua própria imaginação, uma vez que seria impossível a ele saber com detalhes o que se passou entre os protagonistas. Apesar da voz de Daniel ser presente na narrativa, quase nada sabemos dele, já que ele se afasta de um envolvimento naquilo narrado: a história não é sobre ele. Ainda assim, aquilo que o leitor tem acesso sobre Daniel e a companheira Alanis é suficiente para demonstrar as semelhanças entre a vida dos dois com a dos personagens narrados.

É que a tristeza de e para Jean é algo desgraçadamente físico, está sob suas unhas, em sua boca, na ponta da sua glande, ela a sua, ele a engole, ele a traz consigo e para si, É DELE, ele se alimenta dela e ela dele, e ele sabe muito bem quem vai acabar primeiro.

posição 179

Hoje Está Um Dia Morto trata de vazios. A vida tediosa na cidade não permite grandes acontecimentos no dia-a-dia dos jovens, nem perspectivas de um futuro diferente. Os adolescentes, afastados inclusive de suas relações familiares, vivem mergulhados em angústias. Por isso, boa parte das cenas do romance retratam os encontros sexuais entre Jean e Fabiana, já que o sexo é basicamente tudo o que os conecta — até mesmo as conversas entre eles são precárias, demonstrando o pouco que há de comum entre os dois.  O livro, também, é repleto de referências culturais, tanto musicais quanto literárias, já que é na arte que Jean e Fabiana encontram um mínimo de refúgio.

A linguagem atual de André de Leones é tanto capaz de captar a jovialidade dos personagens quanto os insere em um universo maior. As diversas construções que mesclam o português com expressões em inglês lembram o leitor que, por mais afastada que seja a realidade vivida pelos personagens, ela é uma parte inserida em um todo mais amplo: Jean e Fabiana fazem parte do mesmo mundo que habito, mesmo que nossas realidades de vida sejam totalmente diferentes.

É uma verdade física, uma sensação esgazeada e já muito gasta de morte em vida, de uma pequena morte escondida travessamente num quarto vazios de suas almas. Mas Fabiana sabe que não é o caso de dizer alma, e não o diz nem para si mesma.

posição 763

Ainda, a habilidade narrativa do autor proporciona uma imersão total na leitura, de maneira que há muita sensibilidade naquilo narrado. As angústias de Jean são palpáveis e a ideia do tédio constante surge desde o título. O “Hoje” garante uma presentificação que não se finda, uma vez que o advérbio criará referência temporal sempre no momento de elocução, fazendo com que “Hoje” possa ser qualquer momento no tempo. Ainda que ele se refira, na história, ao dia nela narrado, o que o título nos diz é que, naquelas condições, todos os dias são dias mortos.

Hoje Está Um Dia Morto foi uma das melhores leituras que realizei nos últimos tempos. No pouco mais das duas horas que durou minha leitura, vivi sentimentos contraditórios, já que tanto me deleitei com a narrativa primorosa de André de Leones quanto me entristeci com os acontecimentos contados. Ao finalizar o livro, me deparei com aquela sensação de assombro próxima da de um êxtase, somente possível quando somos verdadeiramente impactados e modificados por aquilo que lemos.

 

Sobre o Filme

Dias Vazios é, ao mesmo tempo, uma adaptação fiel e um tanto quanto diferente de Hoje Está Um Dia Morto. Apesar de trazer todos os acontecimentos presentes no livro e muitos de seus trechos narrativos, o filme contém pequenas modificações especialmente em seu tom.

Imagem: Divulgação

A começar, não apenas o próprio título é diferente, quanto Dias Vazios traz uma mudança no protagonismo da história. Se no livro Jean e Fabiana são os personagens principais, na adaptação eles dividem o espaço com Daniel e Alanis, que aparecem como figuras muito mais sólidas do que na leitura em uma modificação fundamental para trazer a essência da obra de André de Leones. Muito do que acontece entre Jean e Fabiana é replicado com Daniel e Alanis, criando um paralelo entre eles a partir da repetição. Com isso, o diretor, Robney Bruno Almeida, tanto conseguiu manter a presentificação do título Hoje Está Um Dia Morto, despertando a sensação da continuidade de um tédio e de angústias que se repetem, quanto transmitiu a noção de que a história de Jean e Fabiana são narradas por Daniel, que insere em sua ficção elementos por ele vividos.

Também, o filme se destina a um público mais jovem do que o do livro. Assim, ainda que as cenas sejam fieis à leitura inclusive em relação aos encontros sexuais vividos pelos personagens e às diversas referências culturais, a linguagem utilizada é mais branda. Mais branda também em relação ao final: se o livro apresenta um fato, ainda que narrado de forma imaginada por Daniel, o que o filme demonstra é uma possibilidade, algo suposto pelo adolescente. Dessa forma, abre-se uma margem de esperança para a personagem em questão, cujo rumo de vida, desconhecido por nós, pode  ter sido diferente daquele exposto.

Muitas das cenas de Dias Vazios enfocam a cidade de Silvânia, em Goiás, onde a história se passa. As ruas, sempre vazias, fazem da cidade uma quase personagem — como ela também o é no livro, apresentada logo em sua abertura — e intensificam a sensação de solidão vivida pelos jovens. Assim, por conta da própria atmosfera da história, o filme tem um desenrolar mais lento do que a leitura de Hoje Está Um Dia Morto, que ganha agilidade pela escrita do autor.

Imagem: Divulgação

Em linhas gerais, adorei o filme tanto como obra independente de outra quanto como adaptação do romance. Eu primeiro assisti a Dias Vazios para depois ler o livro, e se eu já havia gostado daquilo que vi, após a leitura fiquei ainda mais encantada, por ter sido capaz de apreciar o trabalho de transposição de uma mídia para outra. Mais informações sobre o filme podem ser conferidas na entrevista realizada com Robney Bruno Almeida e André de Leones.

Assista ao Trailer de Dias Vazios!





Deixe o seu comentário

8 Respostas para "[Livros Na Telona] Dias Vazios | Hoje Está Um Dia Morto — André de Leones"

Tereza Cristina Machado - 05, junho 2019 às (18:26)

Minha cidade não foi contemplada com a exibição do filme 😏
Mas tem o livro né?! Que eu sempre gosto mais hahahaha não conhecia até você falar sobre ele… acho que esse “vazio” existe em certo grau na vida de todo mundo, precisamos de motivos para movimentar a vida.
Gostei da dica, anotado 😉

Angela Cunha - 07, junho 2019 às (08:01)

Puxa, parece ser com certeza, um enredo triste, denso, daqueles que incomodam de certo modo e deixam leitores e expectadores se questionando a cerca das tristezas e perguntas que a vida nos faz a todo tempo.
Ainda não pude ler a obra, aliás, acho que só tive contato com o título aqui pelo blog, por isso com certeza, quero muito conferir ambos!
O título é maravilhoso!!!
Beijo

Theresa Cavalcanti - 07, junho 2019 às (19:07)

Uma pena que a cidade mais próxima da minha que tem cinema não irá passar esse filme :/ Parecem ser um filme bem pesado, mas quero muito assistir

Rayssa Bonai - 08, junho 2019 às (13:38)

Olá! Eu não sabia da existência do livro e nem do filme até ler sua resenha. Tenho que confessar que a premissa de ambos chamou minha atenção.
Achei bem interessante o tema “vazio”, já que tem vezes que nós também nos sentimos assim.
A história parece ser bem complexa e reflexiva, gosto de livros assim.
Beijos!

Anna Mendes - 08, junho 2019 às (18:41)

Oi Aione!
Eu não conhecia o livro e nem o filme, mas fiquei muito curiosa para conhecer ambos!
Pelos seus comentários, parece ser uma história poética e intensa, e que proporciona muitas emoções e reflexões diferentes!
Vou tentar ler o livro e depois assistir ao filme! Fiquei muito curiosa para conhecer a escrita do autor! 🙂
Bjos!

Patrini Viero - 11, junho 2019 às (12:55)

Eu não conhecia nem o livro, nem o filme, mas sempre tenho uma admiração muito grande pelo trabalho daqueles que conseguem realmente captar a essência de um livro e transferi-lo para as telas, porque essa é uma tarefa árdua, que exige uma dedicação e um estudo intenso da obra.

Patrini Viero - 11, junho 2019 às (12:58)

O comentário, por algum motivo, foi cortado, então vou comentar de novo rs
Eu achei o tema tanto do livro quanto do filme bastante interessante e subjetivo, o que eu acredito que coincida com as reflexões que a história proporciona, principalmente no que se refere às conexões reais que fazemos com as pessoas, em tempos onde elas estão cada vez mais raras. Acho que é uma trama que vale a pena acompanhar não apenas pelas mensagens que transmite, mas pela criatividade que o enredo traz em si.

Rayane B. de Sá - 15, junho 2019 às (05:54)

Oiii ❤ Nunca tinha ouvido falar desse livro, nem mesmo sabia da existência do filme. Acho fascinante quando os autores conseguem passar com clareza os sentimentos dos personagens, acho que isso conecta o leitor com a história. Fico feliz que isso parece acontecer com a história.
Só fico com um pouco com o pé atrás em realizar essa leitura por conta da vida dos personagens serem entediantes, o que me deixa receosa da leitura se tornar monótona. Me irrita muito monotonia em livros.
Entretanto, fiquei curiosa sobre a história de Jean e Fabiana, queria saber porquê eles parecem ter tanta dificuldade pra ter um relacionamento mais profundo.
Gostei muito de saber que no filme sabemos mais sobre Daniel e Alanis, pois parece que o livro não tem enfoque neles.
Obrigada pela indicação ❤

Últimas Resenhas

Calendário de posts

junho 2019
S T Q Q S S D
« maio    
 12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930

Desafio Fuxicando Sobre Chick-Lits 2019

<div class="titulo desafio-fuxicando-sobre-chick-lits-2019"><h6>Desafio Fuxicando Sobre Chick-Lits 2019</h6></div>

Minha Vida Literária • todos os direitos reservados © 2019 • powered by WordPress • Desenvolvido por Responsivo por