[Resenha] A Grande Solidão – Kristin Hannah | Minha Vida Literária
11

jan
2019

[Resenha] A Grande Solidão – Kristin Hannah

Título: A Grande Solidão
Título original: The Great Alone
Autor: Kristin Hannah
Tradução: Edmundo Barreiros
Editora: Arqueiro
Número de Páginas: 400
Ano de Publicação: 2018
Skoob: Adicione
Compare e Compre: Amazon ♥ Americanas ♥ Submarino

Atormentado desde que voltou da Guerra do Vietnã, Ernt Allbright decide se mudar com a família para um local isolado no Alasca.
Sua esposa, Cora, é capaz de fazer qualquer coisa pelo homem que ama, inclusive segui-lo até o desconhecido. A filha de 13 anos, Leni, também quer acreditar que a nova terra trará um futuro melhor.
Num primeiro momento, o Alasca parece ser a resposta para tudo. Ali, os longos dias ensolarados e a generosidade dos habitantes locais compensam o despreparo dos Allbrights e os recursos cada vez mais escassos.
Porém, o Alasca não transforma as pessoas, ele apenas revela sua essência. E Ernt precisa enfrentar a escuridão de sua alma, ainda mais sombria que o inverno rigoroso. Em sua pequena cabana coberta de neve, com noites que duram 18 horas, Leni e a mãe percebem a terrível verdade: as ameaças do lado de fora são muito menos assustadoras que o perigo dentro de casa.
A Grande Solidão é um retrato da fragilidade e da resistência humana. Uma bela e tocante história sobre amor e perda, sobre o instinto de sobrevivência e o aspecto selvagem que habita tanto o homem quanto a natureza.

A Grande Solidão, mais recente lançamento de Kristin Hannah, foi eleito pelo Goodreads Choice Awards como melhor livro de ficção histórica de 2018. E não é para menos: com esmero, a autora não apenas recria um cenário cativante e extremamente bem desenvolvido como também — e principalmente — personagens complexas, cujas vivências entregam um romance de sensibilidade ímpar.

A Guerra do Vietnã causou profundas transformações em Ernt Allbright, que decide se mudar com a família para o Alasca em busca de um recomeço. Embora os primeiros meses demonstrem que a escolha parece ter sido acertada, é durante o rigoroso inverno que Ernt tem sua essência revelada — e com ela, os perigos para sua esposa, Cora, e a filha, Leni, passam a ser muito mais aqueles encontrados dentro de casa do que na natureza selvagem que os cerca.

Passei muito tempo apenas encarando a tela do computador sem saber o que falar desse livro ou da escrita de Kristin Hannah que eu já não tenha dito sobre suas obras anteriores. Mais uma vez, a autora nos presenteia com uma história tão emocionante quanto bem construída, na qual a grande solidão do título não remete apenas ao cenário onde tudo se desenvolve, mas também à sensação de solidão inerente às nossas vivências; não importa o que vivamos ou com quem vivemos, absolutamente cada experiência é única e própria de quem as vive.

No caso de A Grande Solidão, a história é desenvolvida por uma narrativa onisciente e seletiva em terceira pessoa, que segue principalmente a perspectiva de Leni. Como a trama se desenvolve em três partes diferentes, acompanhamos diferentes fases da vida da protagonista, desde o início da adolescência até já a fase adulta. Com isso, temos a personagem buscando compreender, em diferentes momentos da vida, não apenas quem ela é, mas principalmente as pessoas que a cercam. A relação entre seus pais sempre foi complicada e apresentou a ela uma ideia conturbada sobre o amor. Com o passar do tempo, Leni continua tentando entender o sentimento, sua maneira de senti-lo e a forma de como ela o recebe.

Não bastasse a sensibilidade de Kristin Hannah para retratar as complicações das relações humanas e as dificuldades em se lidar com nossos próprios sentimentos — muitas vezes controversos e antagônicos entre si —, a autora estabelece com maestria um paralelo entre personagens e cenário. O Alasca não está presente apenas como pano de fundo, mas é por si uma força extremamente presente e conectada aos acontecimentos e personagens. É quase possível visualizar os locais mencionados, bem como experimentar as sensações que eles oferecem, tamanha a capacidade de descrição da autora.

Em linhas gerais, A Grande Solidão é mais uma obra incrível de Kristin Hannah. Assim como em seus outros livros, a temática da maternidade se faz presente e, aqui, se alia também a dos relacionamentos abusivos e violência doméstica. O fato desse ser um romance histórico possibilita, ainda, a visão das dificuldades legais enfrentadas pelas vítimas desses casos na época em que a história se passa, demonstrando a origem das barreiras ainda sentidas em dias atuais em situações semelhantes. Porém, não apenas pelos temas retratados, o livro se destaca por sua construção geral — de narrativa a personagens e cenas. Essa é mais uma daquelas leituras emocionantes e que nos toca de forma tão única quanto nossas experiências podem ser, e de forma tão intensa quanto a imersão em um cenário tão selvagem pode proporcionar.  





Deixe o seu comentário

7 Respostas para "[Resenha] A Grande Solidão – Kristin Hannah"

Angela Cunha - 12, janeiro 2019 às (07:26)

Ah como eu estou precisando ler este livro. Mesmo conhecendo bem pouco as letras da autora, ela realmente tem uma maestria em falar de sentimentos que impressiona. É como se entrasse de fato na alma humana e pegasse tudo que sentimos e simplesmente jogasse nas páginas.
Sacada genial juntar o clima gelado do Alasca a almas bem bagunçadas e talvez já frias pelos acontecimentos da guerra.
Com certeza, o livro já esta na lista de mais desejados e o título? Sei lá…sou eu!
Beijo

Responder

Anna Mendes - 12, janeiro 2019 às (18:24)

Oi Aione!
Amei a resenha!! <3
Ai, que linda a capa desse livro! Amei esse tom de laranja! Parece acolhedor, sabe?
Gostei bastante da premissa! Parece ser uma leitura muito envolvente, emocionante e com um bom desenvolvimento de personagens.
Ainda não li nada da autora, mas já vou adicionar esse livro na minha lista de desejados para ler no futuro próximo, porque tenho muita curiosidade de conhecer a escrita dela!
Bjos!

Responder

Lara Caroline - 14, janeiro 2019 às (09:10)

Aione, tudo bem?
Eu gosto bastante de ficção histórica, e achei interessante a premissa deste livro. Me lembrou um filme que eu assisti mas que eu não lembro o nome agora rsrs
Beijos

Responder

Ycaro Santana - 15, janeiro 2019 às (00:55)

Kristin Hannah é super elogiada por todos os seus leitores, por sua capacidade de se aprofundar nas características dos personagens e do cenário em sua volta. A Grande Solidão não chamou tanto a minha atenção como com outros livros dela, mas ela escreve com tanta maestria que não seria um desperdício acompanhar as fases de vida da protagonista e sua solidão.

Responder

Sara Santos - 15, janeiro 2019 às (17:26)

Oie !!
Esse livro me parece bastante interessante, é uma daquelas leituras impactantes que me faz transbordar em lágrimas e pensar nele por semanas.

Responder

RUDYNALVA - 15, janeiro 2019 às (22:19)

Aione!
Como você, sou fã da autora.
Achei impressionante ela conseguir uma vez mais trazer os sentimentos e as dualidades humanas, bem como as consequencias das atitudes e o que acontece com a ambientação isolada, assim como o próprio isolamento pessoasl, além de outros temas bem relevantes.
Quero ler.
cheirnhos
Rudy

Responder

Vitória Pantielly - 17, janeiro 2019 às (21:10)

Oi Aione,
Acredita que nunca li nada da Kristin? Gostei de ter colocado ela junto com o Nicholas, é meu autor de romances favorito.
Gosto bastante de personagens que foram para a guerra e voltaram “quebrados”, gosto de tentar entende-los , e como reagem a tudo que passaram, só ai o livro já me conquista.
Leonora é uma personagem que ganha pela empatia, acredito que o que a autora passa é uma protagonosta que sofre em relação a família, e nesse clima de frio, perigo, nada fácil acompanhá-la …
Fiquei com vontade não só de ler esse, mas, outros livros da autora, me conquistou.
Beijos

Responder

Últimas Resenhas

Minha Vida Literária • todos os direitos reservados © 2019 • powered by WordPress • Desenvolvido por Responsivo por