[Resenha] A Duquesa Feia – Eloisa James | Minha Vida Literária
11

set
2018

[Resenha] A Duquesa Feia – Eloisa James

Título: A Duquesa Feia
Título original: The Ugly Duchess
Autor: Eloisa James
Tradução: Lúcia Brito
Editora: Arqueiro
Número de Páginas: 272
Ano de Publicação: 2018
Skoob: Adicione
Compre: Amazon ♥ AmericanasSaraiva ♥ Submarino

Baseado na história O Patinho Feio, esse é o terceiro volume da série Contos de Fadas.
Como ela ousa achar que ele a ama, quando Londres inteira a chama de Duquesa Feia?
Theodora Saxby é a última mulher com quem se poderia esperar que o lindo James Ryburn, herdeiro do ducado de Ashbrook, se casasse. Mas depois de um pedido romântico feito na frente do próprio príncipe, até a realista Theo se convence de que o futuro duque está apaixonado.
Ainda assim, os tablóides dizem que a união não durará mais do que seis meses.
Em seu íntimo, Theo acredita que os dois ficarão juntos para sempre… até que ela descobre que o que James desejava não era seu amor, mas seu dote.
E a sociedade, que primeiro se chocou com seu casamento, se escandaliza com sua separação.
Agora James precisará enfrentar a batalha de sua vida para convencer Theo que ele amava a patinha feia antes que ela se transformasse em cisne. E Theo logo descobrirá que, para um homem com alma de pirata, vale tudo no amor – e na guerra.

Em A Duquesa Feia, terceiro livro da série Contos de Fada publicado pela editora Arqueiro, Eloisa James recria O Patinho Feio em meio ao contexto Georgiano do início do século XIX na Inglaterra. Mais uma vez, a habilidade narrativa da autora foi capaz de me proporcionar uma leitura divertida e envolvente, que me surpreendeu com a velocidade de seus acontecimentos.

Aqui conhecemos a história de Theodora Saxby e James Ryburn, melhores amigos que foram criados juntos. Theo é filha do melhor amigo do pai de James, duque que aceitou cuidar da jovem e sua mãe. Contudo, por inabilidades financeiras, o duque compromete a própria fortuna e acaba precisando se utilizar da herança de Theo, de forma a forçar James a se casar com ela para que ninguém descubra o ocorrido. Contrariado, James acaba propondo casamento a Theo, que se surpreende tanto com a paixão sentida pelo melhor amigo quanto por se perceber correspondendo o sentimento — até descobrir a farsa de seu matrimônio e ver todos os seus sonhos destruídos por isso.

Assim como em Quando A Bela Domou a Fera e em Um Beijo À Meia-Noite, a narrativa leve e descontraída de Eloisa James me permitiu mergulhar na história desde suas primeiras páginas. No caso de A Duquesa Feia, o enredo já se inicia com a discussão entre o duque e seu filho, de maneira a termos um vislumbre tanto da tensão que será desenvolvida quanto da natureza dos diálogos e da narrativa como um todo. Principalmente, já começamos a leitura inseridos na ação, o que nos provoca uma sensação de agilidade que se estenderá por toda narrativa.

Um dos pontos que mais chamou minha atenção na leitura foi a quantidade de eventos e o prolongamento de tempo cronológico abrangidos no enredo. Ao ler a sinopse, havia imaginado que haveria certa demora até se dar o casamento entre os protagonistas e que a descoberta da farsa seria um dos conflitos centrais, a ocorrer lá pela metade do livro. Então, a metade final seria composta pelas tentativas de reconciliação dos pombinhos. Me enganei por completo: do casamento à separação não temos mais do que algumas páginas, e jamais imaginei tudo que ocorre após isso, sobretudo em relação às vivências de James. Dessa maneira, se a linguagem da autora garante agilidade à leitura, a trama em si contribui e muito para isso. Apenas ao final há uma desacelerada nos eventos, de maneira que a história foca mais nas cenas entre os protagonistas e o livro perde um pouco da velocidade inicial. Vale dizer, também, que embora haja muita coisa acontecendo, esses acontecimentos não são aprofundados, mas narrados de maneira mais superficial.

Outro ponto que me agradou — e que eu já havia notado em Um Beijo À Meia-Noite — é o empoderamento dado à protagonista. Imaginava que Theo seria a jovem tímida e reprimida por não se enquadrar nos padrões de beleza de sua época; ao contrário, ela não se deixa abater e mantém sua vivacidade mesmo sem se sentir bela. E quando ocorre todo o conflito com James, Theo assume as rédeas da própria vida e não se intimida com o que precisa enfrentar, apropriando-se, inclusive, de responsabilidades que só seriam atribuídas a homens no contexto em que vive. O único ponto em que ela é afetada é justamente o de sua sexualidade, que acaba por ser um dos conflitos a ser trabalhado na trama.

Em linhas gerais, A Duquesa Feia me proporcionou uma leitura leve, agradável e divertida, que me surpreendeu pelos eventos não terem se desenrolado como eu supunha e me conquistou pela protagonista à frente de seu tempo. O romance, mesmo não tendo sido o destaque na leitura, também me cativou, especialmente por mesclar o clichê de melhores amigos que se apaixonam com o do casal que passa a se odiar, de maneira que me vi torcendo por Theo e James por toda leitura. Uma ótima dica para quem procura um entretenimento em um dia relaxante.

 

Série Contos de Fadas – Capas Originais

A série Conto de Fadas traz livros independentes entre si e, por isso, podem ser lidos separadamente e sem uma ordem exata entre eles. Traz releituras, em ordem de publicação original, dos seguintes contos: Cinderela, A Bela e a FeraA Princesa e a Ervilha, O Patinho Feio e Rapunzel.





Deixe o seu comentário

2 Respostas para "[Resenha] A Duquesa Feia – Eloisa James"

RUDYNALVA CORREIA SOARES - 12, setembro 2018 às (22:00)

Aione!
Bom ver que a autora continua fiel a construção das personagens que se tornam envolvente.
Tão bom quando não esperamos muito de uma leitura e ela é melhor, mesmo que tenha sentido falta dos personagens anteriores.
cheirinhos
Rudy

Responder

Anna Mendes - 13, setembro 2018 às (14:16)

Oi Aione! Amei a resenha! <3
Gostei muito da premissa desse livro! Nunca li nada da autora, mas acho muito legal ela basear suas obras em contos de fada, trazendo o empoderamento de suas personagens femininas.
Também amei a capa desse livro! (a propósito, achei as capas brasileiras muito mais bonitas do que as originais hehehe).
Não costumo ler muitos romances de época. Não sou uma leitora desse gênero, mas as premissas dos livros dessa série me deixaram muito curiosa para dar uma chance e conhecer essas obras! 🙂
Bjos!

Responder

Últimas Resenhas

Minha Vida Literária • todos os direitos reservados © 2018 • powered by WordPress • Desenvolvido por Responsivo por