[Resenha] A Garota de Papel — Guillaume Musso - Minha Vida Literária
Minha Vida Literária
30

jun
2021

[Resenha] A Garota de Papel — Guillaume Musso

A Garota de Papel conta a história de Tom Boyd, o escritor do momento. Os dois primeiros volumes de sua Trilogia dos anjos já venderam milhões de exemplares e colecionam fãs no mundo inteiro. Mas, ao perder seu grande amor, Tom cai em uma profunda crise criativa e se sente incapaz de escrever uma única linha do esperado último livro da trilogia, recorrendo à bebida e às drogas para aliviar sua dor. Certa noite, uma misteriosa mulher aparece em sua casa e afirma ser Billie, personagem de seus romances, caída da página do livro para o mundo real por causa de um erro de impressão no segundo volume da trilogia. Se Tom não voltar a escrever, ela morrerá. Juntos, eles saem em uma fabulosa jornada ao longo das costas californiana e mexicana para tentar recuperar o amor perdido de Tom e, assim, sua inspiração. O que ele nem desconfia, porém, é que o destino é caprichoso e talvez as coisas não sejam como ele imagina… A garota de papel é uma história de amor e suspense que transcende a ficção, uma aventura romântica e bem-humorada que se desenrola no encontro entre o real, o imaginário e o fantástico.

 

Ficha Técnica

Título: A Garota de Papel
Título original: La Fille de Papier
Autor: Guillaume Musso
Tradução: André Telles
Editora: Verus
Número de Páginas: 348
Ano de Publicação: 2012
Skoob: Adicione
Compare e Compre: AmazonAmericanasSubmarino

 

Resenha: A Garota de Papel

A Garota de Papel foi meu segundo contato com a escrita de Guillaume Musso, que me conquistou por completo em O Chamado do Anjo. Em um estilo semelhante ao encontrado em sua outra obra, também publicada pela editora Verus, mais uma vez me encantei pela habilidade e criatividade do autor.

Tom Boyd é um escritor que estourou com a publicação dos primeiros dois livros de sua trilogia. Porém, após o ápice do sucesso, se viu em uma espiral descendente devido a uma crise amorosa. Em face de um bloqueio criativo que o faz acreditar que jamais será capaz de voltar a escrever, ele recebe a visita inesperada de Billie, uma personagem de seus livros saída diretamente das páginas. Ela, então, faz um apelo: que ele volte a escrever, senão ela morrerá.

A escrita de Guillaume Musso é leve e com toques divertidos. Apesar disso, o livro traz uma mescla de gêneros, que vão do romance ao suspense, passando por aventura e momentos de maior intensidade dramática. A narrativa também é variada: em primeira pessoa, pela perspectiva de Tom, trazendo inclusive alguns flashbacks; em terceira pessoa, pela perspectiva de personagens diversos; em formato de matérias em sites e revistas, no início do livro.

O que mais gostei em A Garota de Papel foi sua relação direta com a literatura e o fazer poético. O romance faz praticamente um elogio aos livros e à importância da leitura, demonstrando o quanto ela pode nos ajudar — e até salvar — em momentos de dificuldade. Em uma leitura simbólica, toda ação presente no enredo poderia ser interpretada como a dificuldade encontrada por escritores durante a produção de um romance. Ao mesmo tempo, a obra traz a todo momento o contraponto entre ficção e realidade. A ficção pode funcionar como escape; porém, ela também é limitada e não consegue capturar com precisão as sensações de uma vivência real. Essa oposição está presente, ainda, na própria estrutura do livro, seja por nos perguntarmos se Billie é um componente de fantasia na história, seja pelos elementos ficcionais — como Tom e sua obra — serem citados em meio aos reais: o romance de Tom seria adaptado, na história, e estrelado por personalidades reais. 

Entre as peças do suspense de A Garota de Papel estão o questionamento sobre a figura de Billie e o passado de Tom. Em relação a esse último, é interessante como Guillaume Musso demonstra a todo momento a tentativa do personagem de se afastar de suas origens e o quanto ele é incapaz de fazer isso — o próprio conjunto habitacional onde cresceu não fica muito distante de sua atual moradia. Porém, a visão sobre esse bairro periférico me pareceu não a de quem de fato cresceu em um, mas de quem jamais fez parte daquele meio e só tem a visão estereotipada da violência e decadência, como se o problema do local fosse individual, nas pessoas que lá residem, e não estrutural. Visões como essa são problemáticas do ponto de vista social, visto que continuam reforçando a ideia redutora e desumanizada de quem vive nesses locais e da arte lá produzida — como se ela fosse inválida ou ruim. Um exemplo disso é o rap, citado na obra.

No geral, adorei a leitura de A Garota de Papel, mesmo que tenha ficado incomodada com essa representação social, incluída no enredo apenas como elemento de suspense e motivação do protagonista. Fui completamente envolvida pela leitura ágil e divertida, e fiquei encantada pelas relações entre o real e o imaginário. Com certeza quero ler mais do autor!





Deixe o seu comentário

Minha Vida Literária

Caixa Postal 452

Mogi das Cruzes/SP

CEP: 08710-971

Siga nas redes sociais

© 2021 • Minha Vida Literária • Todos os direitos reservados • fotos do topo por Ingrid Benício