[Resenha] A Perdição do Barão - Lucy Vargas | Minha Vida Literária
22

jan
2019

[Resenha] A Perdição do Barão – Lucy Vargas

Título: A Perdição do Barão
Autor: Lucy Vargas
Editora: Bertrand Brasil
Número de Páginas: 378
Ano de Publicação: 2018
Skoob: Adicione
Compare e Compre: Amazon ♥ AmericanasSubmarino

A família de Patrick, como muitas da aristocracia inglesa, foi marcada por escândalos amorosos e sofrimentos. Não é à toa que ele acredita estar amaldiçoado pelo “mal do amor”.
Quando se apaixona por Hannah, cuja família também esconde segredos, Patrick não consegue confiar nela e muito menos acreditar que um dia seu amor será correspondido. Ele parte decidido a esquecê-la, mas incapaz de conter o amor que sente, ele aceita: Hannah é a sua perdição.
Se permitir que fantasmas do passado continuem a assombrá-los, Hannah pode escapar por entre seus dedos, pondo em risco seus votos e seu elo inquebrável. Quanto mais esse elo é capaz de resistir? Até onde Patrick é capaz de ir por sua baronesa?

A Perdição do Barão é o segundo livro de Lucy Vargas publicado pela Bertrand Brasil e, também, meu segundo contato com a escrita da autora, iniciado por Um Acordo de Cavalheiros. Embora eu não tenha lido seus outros trabalhos, pude notar diferenças significativas entre os que pude conhecer, ainda que algo tenha se mantido nas experiências: adorei ambas leituras.

Patrick acredita pertencer a uma família que sofre do “mal do amor”, dados os tantos escândalos envolvendo seus familiares. Assim, quando se apaixona por Hannah, acredita que jamais será correspondido; contudo, eventos fazem com que os dois se aproximem. Seria possível a ambos abandonar seus temores para viver, enfim, uma relação verdadeira e apaixonada?

Em relação à minha experiência anterior, a diferença mais significativa é perceptível desde o primeiro parágrafo de A Perdição do Barão: aqui a narrativa se dá em primeira pessoa, trazendo a voz de Patrick. Segundo sua nota ao final, Lucy Vargas informa que essa foi uma novidade para ela também, porque esse é seu único livro estruturado dessa maneira. Ainda, vale lembrar que ela, inclusive, é incomum  no gênero como um todo, que, além de normalmente trazer em primeiro plano a perspectiva da mocinha, quando traz a do mocinho o faz em terceira pessoa. Assim, a narrativa aqui é muito mais íntima e próxima do personagem, de forma a mergulharmos em seus sentimentos, anseios e temores.

Com isso, altera-se também a atmosfera da história como um todo. Enquanto em Um Acordo de Cavalheiros pairava certo divertimento, em A Perdição do Barão o clima é muito mais melancólico. Patrick é um homem que sofre com as inseguranças de seu amor e isso é transmitido para a narrativa. Em decorrência, a própria relação desenvolvida entre ele e Hannah é baseada em inseguranças, o que faz o livro girar em torno das dificuldades que sentem como casal, já que não conseguem se abrir com o outro. Também, como só conhecemos a visão de Patrick sobre os fatos, sofremos com ele por não termos acesso à mente de Hannah; assim como ele, só podemos supor o que ela sente e pensa.

O que mais gostei na leitura foi a forma de como as personagens e seus sentimentos foram trabalhados, especialmente pelo enredo se estender por um período tão longo de tempo. A Perdição do Barão é um livro muito mais voltado para conflitos emocionais, o que faz dele um pouco mais lento, ainda que contenha reviravoltas externas. Também, Lucy Vargas não deixa de trabalhar temáticas pertinentes a nossa atualidade — como a severidade mais acentuada com que mulheres são tratadas em relação aos homens, em diversos cenários — mesmo que contextualizadas ao período em que a história se desenvolve.

Em linhas gerais, A Perdição do Barão me cativou por ter se sobressaído em relação a outros romances de época, já que entrega uma atmosfera diferentes sem deixar de trazer elementos comuns ao gênero — como a presença de cenas eróticas. Vale um destaque para a nota de Lucy Vargas ao final, na qual ela expõe diversas curiosidades sobre a pesquisa necessária para a criação da história. Saber os bastidores não foi apenas interessante pelo olhar que proporciona ao livro, mas sobretudo pela quantidade e qualidade de informações históricas apresentadas.   





Deixe o seu comentário

8 Respostas para "[Resenha] A Perdição do Barão – Lucy Vargas"

Angela Cunha - 23, janeiro 2019 às (06:54)

Como eu desejo este livro! Desde que vi seu lançamento, fiquei doida para ler, por apresentar vários diferenciais dos demais livros do mesmo gênero!
Lucy não só trouxe um romance de época melancólico e mais voltado para o drama,como também presenteou o leitor com dois personagens únicos e muito reais.
E isso, cá entre nós, é fascinante!
A capa é belíssima e com certeza, lerei!!!
Beijo

Anna Mendes - 23, janeiro 2019 às (07:56)

Oi Aione!
Amei a sua resenha! <3
Nunca li nada da autora, e não costumo ler romances de época, mas fiquei bem curiosa para conhecer a escrita dela.
Gostei de saber que o livro é narrado em primeira pessoa. Eu sempre me sinto mais conectada com os personagens quando isso acontece.
Achei tão linda a capa desse livro! Fiquei curiosa para fazer a leitura! 🙂
Bjos!

Claudi - 23, janeiro 2019 às (09:20)

acho que faço o tipo antiquada(risos), pois para mim chama mais atenção as curiosidades e contexto histórico, que as cenas mais sensuais. Tem um livro muito bom de romance de época que indico para quem gosta destas tramas onde há o drama de sentir-se inseguro quanto a confiar na pessoa amada. O Despertar de Menfreya de Victoria Holt é uma leitura ótima, onde ficamos como a mocinha, meio inseguras do amor de seu esposo, ao qual ela ama desde menina.

Ycaro Santana - 24, janeiro 2019 às (00:28)

Fiquei totalmente encantado! Estou há algum tempo tentando arriscar em romances de época, buscar autoras que realmente sabem do que estão falando, acho sensacional essa busca mais precisa de acontecimentos reais da época retratada para ser fiel na escrita. Enfim, A Perdição do Barão me conquistou por esse quesito e por vários outros, descobrir que é uma autora nacional retratando um cenário de época no próprio Brasil foi incrível e, melhor, o personagem masculino sendo o “donzelo”. Adorei!

Vitória Pantielly - 30, janeiro 2019 às (12:58)

Olá Aione!
Primeiro que eu morro de vontade de ler algum livro da Lucy, mas ainda não tive oportunidade, e segundo, ela não só inovou, mas me conquistou com essa inovação, nunca li nenhum romance de época que fosse narrado pelo mocinho, e nesse caso, eu achei Patrick diferente dos protagonistas desse gênero, ele me pareceu romanceiro, galante, eu me apaixonei lendo a resenha kkkk
Sobre Hanna, acredito que a primeira impressão dela não é tão boa, por acompanhar o sofrimento do Barão em relação aos seus sentimentos por ela, mas, em contra partida, a forma que o relacionamento deles se encaminhou ficou muito bonito, ficou verdadeiro sabe?
Olha, só sei que desejo demais esse livro, fiquei encantada! Eu tenho um orgulho enorme dos nosso nacionais 💕
Ah, eu ganhei o livro recentemente, espero ansiosa que ele chegue logo!!
Beijos

RUDYNALVA - 30, janeiro 2019 às (22:13)

Aione!
Que pena a autora ter trazido apenas a visão do Patrick para mostrar a evolução das personagens, ficou vago e na minha opinião ficaria melhor em terceira pessoa a narrativa.
Ainda assim, como gostei do plot tw, arriscaria a leitura.
cheirinhos
Rudy

sara santos - 31, janeiro 2019 às (10:14)

Nunca li nenhum livro de Lucy, esse parece bem legal. Já li vários romances de época, mas poucos narrados por homens, acho bem legal. Vou tirar um tempo pra ler esse livro, me parece interessante.Bjs

Lara Caroline - 31, janeiro 2019 às (18:20)

Olá.
Nunca li nada da autora, e achei bem curioso o fato de o livro ser narrado pelo mocinho, ainda mais por se tratar de um romance de época. Fiquei interessada em conhecê-lo.
Beijos

Últimas Resenhas

Minha Vida Literária • todos os direitos reservados © 2019 • powered by WordPress • Desenvolvido por Responsivo por