[Resenha] A Lenda Do Cavaleiro Sem Cabeça e Outros Contos - Washington Irving | Minha Vida Literária
Minha Vida Literária
27

out
2020

[Resenha] A Lenda Do Cavaleiro Sem Cabeça e Outros Contos – Washington Irving

Inclui os contos extras: “Rip van Winkle”, “O Noivo Espectral” e “O Diabo e Tom Walker”.
Ichabod Crane, um sujeito esguio e supersticioso, viaja até uma vila chamada Sleepy Hollow para exercer seu ofício de educador. Lá, compete com o valentão Brom Bones pela mão de Katrina Van Tassel, filha única do rico fazendeiro Baltus Van Tassel. Porém, saindo de uma festa em uma noite de outono, Crane é perseguido por um suposto fantasma conhecido como Cavaleiro sem Cabeça. É o momento de descobrir se a lenda do Soldado Hessiano, que cavalga em busca de sua cabeça perdida, é verdadeira.

 

Ficha Técnica

Título: A Lenda do Cavaleiro sem Cabeça e Outros Contos
Título original: The Legend Of Sleepy Hollow
Autor: Washington Irving
Tradução: Camila Fernandes
Editora: Wish
Número de Páginas: 192
Ano de Publicação: 2020
Skoob: Adicione
Compre: Editora Wish

 

Resenha: A Lenda do Cavaleiro Sem Cabeça e Outros Contos

Em comemoração aos duzentos anos de A Lenda do Cavaleiro Sem Cabeça, a editora Wish trouxe para nós, através de financiamento coletivo, o conto completo de Washington Irving publicado em 1820 e outras três obras menores (“Rip van Winkle”, “O Noivo Espectral” e “O Diabo e Tom Walker”), de talvez menor influência na carreira do autor, mas que me conquistaram por completo

O primeiro e principal conto, resenhado aqui no Minha Vida Literária anos atrás em outra edição, vai narrar a história de Ichabod Crane, esguio e supersticioso, que decide viver na vila Sleepy Hollow para trabalhar como professor. É lá que se apaixona por Katrina Van Tassel, filha de um fazendeiro rico. Crane, cujo apreço não nega, tenta de tudo para conquistar sua amada enquanto compete com Brom Bones pela honra de casar com a jovem dama. O problema é que essa não é uma cidade qualquer! A lenda do cavaleiro sem cabeça é ou não é apenas uma história de fantasma?

A bem da verdade é que apesar de eu gostar do conto “O Cavaleiro Sem Cabeça”, encontrei na história de “O Diabo e Tom Walker” uma leitura mais envolvente. Não sei ao certo o que me chamou a atenção, mas o trabalho de Washington Irving ao falar sobre um homem mesquinho e que deseja riqueza ao fazer pacto com o diabo pareceu um suspense mais intenso e até dinâmico, com seus diálogos ágeis, cheios de peso e frases que me permitiram uma maior reflexão, como, por exemplo, ao citar que o clamor por perdão na igreja aos domingos é proporcional aos pecados durante a semana. Quanto maior o brado, maior foi o pecado. E isso deixou Tom Walker ainda mais humano no meu ponto de vista, afinal, ao fim da vida, ninguém quer encontrar com o diabo.

Aliás, algo que percebi ao longo da leitura é que Washington Irving contrapõe a condição humana aos pecados capitais. Quando ele apresenta um homem que só pensa na farta refeição que vai ter ao longo do dia depois de casado com Katrina Van Tassel, temos a clara visão do pecado da gula, intrínseco à personalidade de Ichabod Crane. Outro personagem no qual consegui identificar um pecado muito bem foi Rip Van Winkle. Ele é notoriamente preguiçoso e seu desejo é se livrar das obrigações em casa para ficar deitado à sombra de uma árvore. Tom Walker com toda a certeza está voltado à luxúria, e o protagonista de “O Noivo Espectral” tende a se equilibrar na corda bamba entre a cobiça e a lealdade para com seu amigo.

O que ficou na minha cabeça ao concluir essa obra é a forma ácida e o ambiente sinistro que Washington Irving cria em seus trabalhos, causando no leitor uma imersão poderosa. Com influência gótica, posso descrever A Lenda do Cavaleiro Sem Cabeça e Outros Contos como sendo um dos degraus que levou a literatura de suspense e horror ao que hoje encontramos nos livros de mesmo gênero.





Deixe o seu comentário

5 Respostas para "[Resenha] A Lenda Do Cavaleiro Sem Cabeça e Outros Contos – Washington Irving"

RUDYNALVA CORREIA SOARES - 27, outubro 2020 às (19:52)

Francisne!
Gosto muito quando tem esse clima mais gótico e esse humor ácido.
Muito bom ler o conto original que deu origem a tantas outras releituras, sejam em livros ou em filmes.
Pode não ser um terror tão macabro, mas só em pensar em uma figura sem cabeça, andando a cavalo pelo condado, é aterrorizante sim.
cheirinhos
Rudy

Angela Cunha - 28, outubro 2020 às (07:35)

Namorando demais esse e outros livros da Wish! Que edição mais linda e ler uma resenha assim, só me deixa com mais vontade ter essa lindeza em mãos!
Só conheço o filme sobre A Lenda do Cavaleiro Sem Cabeça, por isso, os outros contos também devem ter esse mesmo ar gótico e sombrio que permeia A Lenda.
Espero poder comprar em breve!!!
Beijo

Anna Mendes - 28, outubro 2020 às (08:47)

Oi Fran!
Adorei a resenha!
Eu conheço a lenda do cavaleiro sem cabeça, mas não sabia que era baseada em um conto.
Fiquei muito curiosa para fazer a leitura dele e também dos outros contos do autor, principalmente por você ter falado que gostou mais deles.
Interessante como o autor trabalhou a questão dos pecados e como isso foi refletido nos personagens.
E que edição linda! A editora Wish capricha muito nas edições dos seus livros!
Já vou colocá-lo na minha lista de desejados! 😉
Bjos!

Scheila - 30, outubro 2020 às (10:27)

Oii Fran!
Dificilmente leio contos assim, mas adorei essa renha e não é que fiquei curiosa para ler esse?
Já que envolve um romance entre os personagens, me chamou atenção ehehe.
E achei demais o autor falar sobre os pecados capitais, eu adoro esse assunto.

Beijos!

Ana I. J. Mercury - 31, outubro 2020 às (19:04)

Oi, Francine
Amei essa capa, linda!!!
Eu já queria ler algo do Irving e acho que vou curitr muitos esses contos.
Parecem ser bem instigantes, interessantes e que nos faz refletir.
Ainda mais essa coisa dos pecados capitais, bem legais mesmo.
bjs

Minha Vida Literária

Caixa Postal 452

Mogi das Cruzes/SP

CEP: 08710-971

Siga nas redes sociais

© 2020 • Minha Vida Literária • Todos os direitos reservados • fotos do topo por Ingrid Benício