[Vídeo Resenha] Mas Tem que Ser Mesmo Para Sempre? — Sophie Kinsella | Minha Vida Literária
21

jun
2018

[Vídeo Resenha] Mas Tem que Ser Mesmo Para Sempre? — Sophie Kinsella

Título: Mas Tem que Ser Mesmo Para Sempre?
Título original: Surprise me
Autor: Sophie Kinsella
Tradutor: Raquel Zampil
Editora: Record
Número de Páginas: 378
Data de Publicação: 2018
Skoob: Adicione
Compare e Compre: AmazonAmericanasSaraivaSubmarino

Juntos há dez anos, Sylvie e Dan compartilham todas as características de uma vida feliz: uma bela casa, bons empregos, duas filhas lindas, além de um relacionamento tão simbiótico que eles nem chegam a completar suas frases – um sempre termina a fala do outro.
No entanto, quando os dois vão ao médico um dia, ouvem que sua saúde é tão boa que provavelmente vão viver mais uns 68 anos juntos… e é aí que o pânico se instala. Eles nunca imaginaram que o “até que a morte nos separe” pudesse significar sete décadas de convivência. Em nome da sobrevivência do casamento, eles rapidamente bolam um plano para manter acesa a chama da paixão: de um jeito criativo e dinâmico, passam a fazer pequenas surpresas mútuas, a fim de que seus anos (extras) juntos nunca se tornem um tédio.
Porém, assim que o Projeto Surpresa é colocado em prática, contratempos acontecem e segredos vêm à tona, o que ameaça sua relação aparentemente inabalável. Quando um escândalo do passado é revelado e algumas importantes verdades não ditas são questionadas, os dois – que antes tinhas certeza de se conhecerem melhor do que ninguém – começam a se perguntar: Quem é essa pessoa de verdade?…”.
Um livro espirituoso e emocionante que esmiúça os meandros do casamento e que demonstra como aqueles que amamos e achamos que conhecemos muito bem são os que mais podem nos surpreender.

RESENHA EM VÍDEO


 

RESENHA ESCRITA

Surprise me é o mais recente lançamento de Sophie Kinsella, publicado no Brasil pela editora Record sob o título Mas tem que ser mesmo para sempre?. Se com Minha Vida (Não Tão) Perfeita a autora já havia inovado ao não colocar a relação amorosa como centro da trama, em seu novo título ela inova mais uma vez ao dessa vez abordar o casamento (de maneira diferente do feito em A Lua de Mel), em vez de um casal que está se apaixonando.

Sylvie e Dan são “um casal com C maiúsculo”: próximos, estáveis e felizes, sentem que conhecem um ao outro com profundidade e que nada pode abalar a sólida relação entre eles. Até que uma consulta médica revela que eles têm a probabilidade de viver por ainda muitas décadas e a perspectiva os aterroriza: como eles vão conseguir manter o relacionamento por mais quase setenta anos? Então Sylvie tem a ideia de começarem a fazer pequenas surpresas um para o outro para manter o vigor da relação, sem imaginar que isso poderia desencadear a revelação de surpresas nem um pouco agradáveis.

Falar da narrativa de Sophie Kinsella é redundante quando esse comentário vem de mim. Assim como em seus outros livros, mergulhei na leitura desde o início: a escrita de Mas tem que ser mesmo para sempre? é deliciosamente espirituosa, com passagens divertidíssimas que, em primeira pessoa, sobretudo revelam os pensamentos mais íntimos de Sylvie. Com isso, já temos uma parte bastante característica da construção das personagens de Kinsella, já que a protagonista tem os momentos de insegurança, neurose e até mesmo imaturidade que as tornam tão típicas. No fundo, essas mocinhas revelam algo existente em todos nós, ainda que não gostemos de admitir por não serem atributos louváveis. Porém, é justamente aí que o momento cômico se faz na leitura: rimos pelo absurdo das situações, mas também rimos por aqueles momentos com os quais nos identificamos, ainda que somente em partes. Merece destaque também, em relação à escrita, o trabalho de tradução. Sophie Kinsella faz uso de alguns neologismos utilizados por Sylvie e a escolha de Raquel Zampil como tradutora foi bastante interessante, especialmente por manter o sentido original desejado pela autora agora aplicado ao português brasileiro.

De qualquer maneira, o que me ganhou em Mas tem que ser mesmo para sempre? não foi simplesmente o fato de ter me proporcionado uma leitura tão gostosa e cativante, mas a maestria com que Sophie Kinsella dominou o enredo e foi capaz de desenvolvê-lo tão bem, especialmente por ter se aprofundado com delicadeza e habilidade nas personagens. A história começa sendo tipicamente divertida, com passagens hilárias que beiram o improvável (e por isso nos fazem  rir). Mas, pouco a pouco, a autora encaminha a trama para as questões que quer trabalhar e logo nos vemos em uma espiral de sentimentos: sentimos a dor pelas dificuldades, ficamos angustiados com as incertezas e nos vemos ávidos pelas revelações que trarão consigo novamente a calmaria. Nesse meio tempo, acompanhamos Sylvie questionando o quanto conhece as pessoas ao seu redor e, mais do que tudo, o quanto conhece a si mesma.

E, apesar de ser completamente fã de Sophie Kinsella, a autora ainda assim conseguiu me surpreender — eu não esperava encontrar o que li em Mas tem que ser mesmo para sempre?. Inclusive, fiquei completamente satisfeita com a maneira de como ela abordou uma temática importantíssima que surge com as reviravoltas da história pela importância que Sylvie dedica ao caso, mesmo em meio ao seu caos e reestruturação interior. Os conflitos vivenciados pela personagem especialmente ao fim da leitura soaram extremamente reais e trouxeram ainda mais significado à trama.

Mas tem que ser mesmo para sempre?, no fim, é um livro sobre as dificuldades de um relacionamento a dois, mas é também uma história sobre as imprevisibilidades da vida e as dificuldades em se lidar com esses imprevistos. É uma história sobre como enxergamos as situações com as quais nos deparamos e sobre como, muitas vezes, somos levados a enxergá-las. É uma história sobre se redescobrir e redescobrir o outro, sem deixar de ser, também, uma história sobre a força do amor. Terminei a leitura, mais uma vez, com lágrimas nos olhos e um sorriso bobo no rosto, agradecida por mais uma experiência completamente inebriante que apenas Sophie Kinsella é capaz de me proporcionar.





Deixe o seu comentário

8 Respostas para "[Vídeo Resenha] Mas Tem que Ser Mesmo Para Sempre? — Sophie Kinsella"

Anna Mendes - 21, junho 2018 às (19:07)

Oi Aione!
Adorei a resenha!
Fiquei encantada com a capa deste livro! Que linda!
Gostei bastante da premissa! É bem diferente e a história parece ser envolvente e divertida!
Eu tive o meu primeiro contato com a Sophie Kinsella neste mês de junho. Li O Segredo de Emma Corrigam e amei a leitura! Me envolvi completamente na história e me diverti muito! O que me deixou muito curiosa para ler outros livros escritos pela autora 😉
Bjos!

Responder

Daiane Araújo - 21, junho 2018 às (20:22)

Oi, Aione.

Esse equilíbrio entre o humor e a seriedade contida no enredo, é o que me faz mais ter vontade em realizar essa leitura, além de dosar tudo na medida certa.

Certamente, o conteúdo presente, de um relacionamento a dois e consequentemente, os conflitos de se reinventar e a durabilidade ao todo, rende muito assunto a ser discutido…

Pelo o que foi citado, acredito que eu teria bons momentos lendo-o.

Responder

Micheli Pegoraro - 21, junho 2018 às (22:22)

Nem precisa se explicar, Sophie Kinsella sempre haha
Que resenha perfeita Aione, já me encantei com a história apenas lendo essa resenha, imagina quando chegar o momento de ler o livro.
Adorei a sinopse, vou ler para o desafio de ler um chick-lit que me ganhou pela sinopse.
Que livro incrível! Uma história sensível mas que diverte e surpreende de um jeito que só a Sophie Kinsella sabe fazer. E ela faz isso com maestria, criando personagens cativantes, onde nos divertimos com as improváveis situações que eles vivenciam.
Gostei de saber que o livro traz uma trama familiar forte, adoro enredos com relacionamentos familiares bem desenvolvidos. Estou ansiosa para acompanhar as tantas autodescobertas e mudanças que Sylvie passa com o seu marido,
Fiquei curiosa para saber quais são os temas que a autora abordou nesse livro.
Estou com saudades de ler um livro da autora, pretendo ler também Menina de Vinte ainda nesse ano.
Beijos

Responder

suzana cariri - 27, junho 2018 às (13:46)

Oi!
Ainda não li nada da Sophie Kinsella, mas sempre vejo muitos comentários positivos sobre os livros da autora, tem alguns livros dela na minha lista de leitura e gostei bastante desse novo livro dela também, principalmente pelo enrendo que não é tão comum vermos nos livros, as historia sempre acabam sendo focadas no casal se encontrando e não no que acontece depois, se tiver oportunidade quero ler esse livro !!

Responder

Patrini Viero - 28, junho 2018 às (13:19)

Eu nunca li nada da Sophie, mas a vontade de mudar isso não falta. Esse, em particular, me chamou atenção já pelo título, que querendo ou não proporciona a reflexão inicial da história, mesmo não sendo esse seu principal propósito. O que eu mais curti do enredo foi o fato de abordar a trama a partir da perspectiva de um casal já consolidado, que enfrenta os problemas tão reais, com os quais muitos de nós nos deparamos ao longo de um relacionamento. Além disso, gostei que a autora tenha inserido mais temas interessantes além do próprio amor, isso só enriquece a trama e torna o livro mais complexo e coeso.

Responder

Lily Viana - 29, junho 2018 às (10:13)

Olá Aione!
Eu já vi esse livro, tenho super interesse em ler ele. A trama é bem interessante e diferente. Não li nada da autora mais já ouvir fala muito dela e sei que ela tem livros incríveis. Já quero muito ler os livros dela!

Meu blog:
Tempos Literários

Responder

Ana Carolina Venceslau Dos Santos - 29, junho 2018 às (19:33)

Eu adorei a proposta do livro e por mais que eu nunca tenha lido nenhum livro da Sophie kinsella Eu Fiquei impressionada com o equilíbrio entre humor e o drama presente na história o conteúdo dele deve ser realmente maravilhoso

Responder

RUDYNALVA CORREIA SOARES - 30, junho 2018 às (23:09)

Oi Aione!
Sem problemas não ter vídeos, principalmente se vem novas boas novidades.
Já li alguns livros da autora, mas esse ainda não, mas pelo visto, a ‘receita’da escrita da autora, continua a mesmo, um chick list cheio de trechos hilários, misturados com um pequeno drama, que nos faz enlouquecer para poder ler.
cheirinhos
Rudy

Responder

Últimas Resenhas

Minha Vida Literária • todos os direitos reservados © 2018 • powered by WordPress • Desenvolvido por Responsivo por